Pesquisar e

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Erros de Paul Washer- DEUS ODEIA OS PECADORES!

Um Deus que é Santo não pode pecar.
Um Deus que é Justo não pode cometer injustiça.
Um Deus que é Amor pode odiar literalmente?😞

No vídeo abaixo , Paul Washer ensina que Deus odeia os pecadores e a "ira" é o ódio de Deus! 

Romanos 5:6 ¶ Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
7  Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer.

8  Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.

Romanos 5:10  Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida;


1- Deus tem uma ira literal? (ver tópico seguinte)
Resposta:

  • A ira é uma emoção, e Deus não tem emoções.
  • Deus tem sentimentos, e eles emanam sim de seus atributos: amor e justiça

"a Bíblia emprega três tipos básicos de declarações matafóricas sobre Deus:
  •  Em primeiro lugar, há antropomorfismos que descrevem Deus em forma humana, como tendo olhos (por exemplo Hb 4:13, ouvidos (2 Cr 6:40) e braço (Dt 5:15). 
  • Depois háantropopatismo que descrevem Deus tendo sentimentos humanos variáveis, como ira e tristeza (Ef 4:30).
  •  Por fim, há antropoieses que atribuem a Deus ações humanas como arrepender-se (Gn 6:6) e esquecer-se (is 43:25). Nenhumas destas descrições tem a intenção de ser literalmente verdadeiras, e considerá-la assim pode conduzir a erro sério" (Teologia Sistemática - Norman Geisler, vol 2, p. 568)

3b-"Impassibilidade- O significado básico de impassibilidade é que Deus não é passível ou sujeito a emoção (o elemento im,significa 'não', e passível, significa 'ter emoção'). Deus não tem emoção ou sofre, nada no universo criado pode fazer Deus sentir dor ou infligir-lhe sofrimento,. Isso não significa que Deus não tenha sentimentos  mas tão-somente que estes não são o resultado de ações impostas Nele pelos outros. Os seus sentimentos fluem  da sua natureza eterna e imutável" (idem, p. 643)

"Toda emoção envolve um desejo do que está faltando. Contudo Deus não tem falta de nada, visto que Ele é absolutamente perfeito.. Conclui-se, então que Deus não pode ter emoção. Portanto, Deus é impassível naquilo que Ele não pode sofrer ação em si feita por outrem  Ele também é impassível no sentido que Ele não tem emoção ou almeja algo que não possui. Como ser absolutamente perfeito, Deus não tem falta de nada e por conseguinte, não almeja nada" (Idem p. 640)

Rm 11:35  Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído?
36  Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!

Mt 5:43 ¶ Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.
44  Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;
45  para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.
46  Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo?
47  E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo?

48  Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.

Tiago 1:17  Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança.


Ou seja, O ÓDIO não é um atributo de Deus, não flui de sua essência, é uma imperfeição e assim Deus não pode literalmente odiar, mentir, pecar, etc. pois isto são imperfeições  e em Deus não existe imperfeição.

Um Deus que é Santo não pode pecar.
Um Deus que é Justo não pode cometer injustiça.
Um Deus que é Amor pode odiar literalmente?

2-A ira é ódio ou aplicação da justiça divina?
Resposta:
A ira vem da aplicação da justiça de Deus, por causa da transgressão da lei:
Romanos 4:15  porque a lei suscita a ira; mas onde não há lei, também não há transgressão.
Romanos 3:5  Mas, se a nossa injustiça traz a lume a justiça de Deus, que diremos? Porventura, será Deus injusto por aplicar a sua ira? (Falo como homem.)


A ira de Deus é manifestação de sua Justiça, do juízo pela transgressão de seus mandamentos. Não é ódio!! 

Romanos 2:5  Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus,

Romanos 2:8  mas ira e indignação aos facciosos, que desobedecem à verdade e obedecem à injustiça.

Romanos 3:5  Mas, se a nossa injustiça traz a lume a justiça de Deus, que diremos? Porventura, será Deus injusto por aplicar a sua ira? (Falo como homem.)


Salmos 1:5  Por isso, os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos.

Números 32:13  Pelo que se acendeu a ira do SENHOR contra Israel, e fê-los andar errantes pelo deserto quarenta anos, até que se consumiu toda a geração que procedera mal perante o SENHOR.
Deuteronômio 9:18  Prostrado estive perante o SENHOR, como dantes, quarenta dias e quarenta noites; não comi pão e não bebi água, por causa de todo o vosso pecado que havíeis cometido, fazendo mal aos olhos do SENHOR, para o provocar à ira.

Isaías 66:16  porque com fogo e com a sua espada entrará o SENHOR em juízo com toda a carne; e serão muitos os mortos da parte do SENHOR.
Judas 1:15  para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele.
Eclesiastes 12:14  Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más
Deuteronômio 31:29  Porque sei que, depois da minha morte, por certo, procedereis corruptamente e vos desviareis do caminho que vos tenho ordenado; então, este mal vos alcançará nos últimos dias, porque fareis mal perante o SENHOR, provocando-o à ira com as obras das vossas mãos.
Josué 7:1  Prevaricaram os filhos de Israel nas coisas condenadas; porque Acã, filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zera, da tribo de Judá, tomou das coisas condenadas. A ira do SENHOR se acendeu contra os filhos de Israel.
Josué 23:16  Quando violardes a aliança que o SENHOR, vosso Deus, vos ordenou, e fordes, e servirdes a outros deuses, e os adorardes, então, a ira do SENHOR se acenderá sobre vós, e logo perecereis na boa terra que vos deu.
Colossenses 3:6  por estas coisas é que vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.



Ser filho da ira é receber a retribuição pelos nosso feitos pecaminosos pela justiça de Deus. A ira futura (em termos de julgamento e sanções penais), mas que é presente:
1 Ts 1:10  e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura.
1 Ts 5:9  porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo,
Efésios 2:3  entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.
João 3:36  Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.






3-Deus não nos salvou de nossos pecados, Deus te salvou de seu ódio por nós?
Resposta:
Não, Jesus nos salvou dos nossos pecados que nos escravizava e nos conduzia ao inferno.
Deus nos salvou da sua ira com base no seu amor!!  se  a ira fosse ódio, como Deus por meio do seu amor para conosco amou quem ele mesmo odiava?


Mateus 1:21  Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.
Tiago 5:20  sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados.

Jo 3:16  Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna

Jo 8:32  e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
33  Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão e jamais fomos escravos de alguém; como dizes tu: Sereis livres?
34  Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.
35  O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre.
36  Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

Romanos 5:9  Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.



4- Deus ama por isso DEVE odiar o homem?
  • Não. O ódio é falta de amor. Como trevas a falta de luz. O ódio é a privação do amor. Uma imperfeição. Logo não pode existir em Deus!
  • Se Deus não tivesse criado o mundo, e portanto não houvesse o mal, não haveria NADA para Deus odiar, nem mesmo o mal!! Logo, isso implica que o mal  e o ódio não tem existência em si, mas são apenas a privação do bem e do amor.
  • Não podemos ter sentimento dualistas e contraditórios sobre o mesmo objeto.
  • Os sentimentos de Deus fluem de seus atributos: Amor, Justiça.O ódio é falta de amor e é uma imperfeição (vide 1-)

Paul Washer usa os seguintes raciocínios para dizer que Deus ama e odeia pessoas:
"Se eu amo bebês devo odiar o aborto.
Você ama os judeus. Você deve odiar o holocausto.
Você ama os afro americanos. Você deve odiar a escravidão"

Observe que na verdade dizer que odeia o aborto é o mesmo que dizer que odeia o assassinato das pessoas que amo (as crianças).  Não é amar e odiar o bebê. Pois o objeto do amor é o mesmo.
Dizer que ao amar um africano odiamos a escravidão não estamos tendo sentimentos dualistas sobre o mesmo objeto. O ódio é o objeto da escravidão, e o africano o objeto do amor! 

Assim dizer que Deus ama as pessoas e odeia as pessoas é cometer uma contradição!
Deus não odeia pessoas mas odeia seus atos. (ver 5-)
Romanos 5:6 ¶ Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
7  Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer.

8  Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.


Romanos 5:10  Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida;

Lucas 6:27  Digo-vos, porém, a vós outros que me ouvis: amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam;

Lucas 6:35  Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus


5- Podemos separar o pecador de seu pecado?
a-Não. Uma pessoa que transgride um mandamento se torna culpada, transgressora.

Deus não tem o culpado por inocente, mas nem por isso o odeia literalmente, apenas lhe impõe a culpa.

Êxodo 34:7  que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!
Números 14:18  O SENHOR é longânimo e grande em misericórdia, que perdoa a iniqüidade e a transgressão, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta gerações.
Naum 1:3  O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em poder e jamais inocenta o culpado; o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés.

b-Mas a própria bíblia nos ensina a amar nossos inimigos, distinguir o valor instrínseco da pessoa de seu ato pecaminoso, ou seja, amar quem nos odeia, assim como Jesus fez:
Lucas 6:27  Digo-vos, porém, a vós outros que me ouvis: amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam;

Lucas 6:35  Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus


6-A ira de Deus é o mesmo que ódio?
Paul Washer deixa subentendido que ódío é o mesmo que ira!!

Resposta:
  • O termo ira é a expressão da Justiça de Deus, que exigem o cumprimento de suas leis e a retribuição delas. ver acima pergunta 1 e 2
  • Deus amou pessoas destinadas ao seu juízo, sua ira. Deus não amou pessoas que odeia!
  • Dizer que a ira é o mesmo que ódio, seria dizer que Deus amou pessoas que odeia!
  • A Bíblia diz que todos dos pecadores são objetos da ira de Deus, mas Deus amou os pecadores, Se a ira significa ódio, logo Deus odiava o homem e passou a amá-lo, o que seria uma contradição.
Romanos 5:8  Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.
 Efésios 2:3  entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.
João 3:36  Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.

4- O inferno é somente a expressão da justiça de Deus ou também do seu amor?
Resposta:
O inferno expressa além da justiça retributiva, o amor de Deus:
  • Existe uma diferença entre valor intrínseco e valor instrumental (extrínseco). O primeiro tem valor em si mesmo e o segundo tem valor como um meio para um fim
  • Se Deus tirasse as pessoas da existência ele as usaria como meio para um fim (destruição do pecado, desobediência,etc., ou seja, do mal) ou seja, usaria de uma moral utilitarista
  • O inferno reconhece que as pessoas têm valor intrínseco, assim Deus prefere que o mal fique confinado a um local (inferno) do que extinguir da existência criaturas feitas à sua imagem
  • Assim o inferno é sinal do reconhecimento do arbítrio das pessoas, do valor intrínseco delas e ao mesmo tempo expressão da justiça de Deus, já que o próprio Deus deu a vida por elas.


5- É impossível amar uma pessoa e odiar seu procedimento?
Resposta:
Claro que não. Isto ocorre especialmente  quando um irmão faz algo que desagrada o outro, ou numa relação entre pais e filhos!

6- Jesus nos manda odiar nossos pais?

Resposta:
Claro que não. A passagem paralela é muito clara, e se trata de uma expressão idiomática:

Lc 26  Se alguém vem a mim e não aborrece (lit. odeia) a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.
Mateus 10:37  Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim;

7- E as passagens que dizem que Deus odeia as pessoas?
O termo hebraico geralmente traduzido por ódio tem vários significados, basicamente de ódio, aversão, mas também desprezo:

Gênesis 29:31  Vendo o SENHOR que Lia era desprezada <08130>, fê-la fecunda; ao passo que Raquel era estéril.

São estas as passagens que dizem que Deus 'odeia" o homem:
Malaquias 2:16  Porque o SENHOR, Deus de Israel, diz que odeia<08130>, o repúdio e também aquele que cobre de violência as suas vestes, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto, cuidai de vós mesmos e não sejais infiéis.
Salmos 5:5  Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces <08130> a todos os que praticam a iniqüidade.
Salmos 11:5  O SENHOR põe à prova ao justo e ao ímpio; mas, ao que ama a violência, a sua alma o abomina <08130>
Salmos 31:6  Aborreces <08130> os que adoram ídolos vãos; eu, porém, confio no SENHOR.
Provérbios 3:32  porque o SENHOR abomina o perverso, mas aos retos trata com intimidade.
O mesmo se dá com a  palavra abominável, que ocorre dezenas de vezes. Significa desaprovação do ato do pecador! quem pratica algo abominável, reprovável se torna abominável (no sentido moral):
Léxico de Strong:
"<08441> 1) uma coisa repugnante, abominação, coisa abominável
1a) em sentido ritual (referindo-se ao alimento impuro, ídolos, casamentos mistos)
1b) em sentido ético (referindo-se à impiedade, etc.)

Levítico 18:30  Portanto, guardareis a obrigação que tendes para comigo, não praticando nenhum dos costumes abomináveis <08441> que se praticaram antes de vós, e não vos contaminareis com eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.

Deuteronômio 14:3  Não comereis coisa alguma abominável <08441>.
Deuteronômio 17:1  Não sacrificarás ao SENHOR, teu Deus, novilho ou ovelha em que haja imperfeição ou algum defeito grave; pois é abominação <08441> ao SENHOR, teu Deus.
Deuteronômio 17:4  e te seja denunciado, e o ouvires; então, indagarás bem; e eis que, sendo verdade e certo que se fez tal abominação <08441> em Israel,
Deuteronômio 18:9  Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações <08441> daqueles povos.
Deuteronômio 18:12  pois todo aquele que faz tal coisa é abominação <08441> ao SENHOR; e por estas abominações <08441> o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti.
Deuteronômio 20:18  para que não vos ensinem a fazer segundo todas as suas abominações <08441>, que fizeram a seus deuses, pois pecaríeis contra o SENHOR, vosso Deus.
Deuteronômio 22:5  A mulher não usará roupa de homem, nem o homem, veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais coisas é abominável <08441> ao SENHOR, teu Deus.
Deuteronômio 23:18  Não trarás salário de prostituição nem preço de sodomita à Casa do SENHOR, teu Deus, por qualquer voto; porque uma e outra coisa são igualmente abomináveis <08441> ao SENHOR, teu Deus.
Provérbios 3:32  porque o SENHOR abomina <08441> o perverso, mas aos retos trata com intimidade.
Provérbios 6:16  Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina <08441>:
Provérbios 11:20  Abomináveis <08441> para o SENHOR são os perversos de coração, mas os que andam em integridade são o seu prazer.
Provérbios 15:9  O caminho do perverso é abominação <08441> ao SENHOR, mas este ama o que segue a justiça.
Jeremias 44:4  Todavia, começando eu de madrugada, lhes enviei os meus servos, os profetas, para lhes dizer: Não façais esta coisa abominável <08441> que aborreço.

Resposta:
Baseado no fato que:

  • os sentimentos de Deus fluem de suna natureza imutável como amor e Justiça, sendo assim Deus ama a pessoa que comete o pecado, ama o pecador, o transgressor, mas nem por isso aprova sua ação. Deste modo ele nos ordena a amar nossos inimigos e as pessoas que nos fazem mal. O ódio é uma emoção que surge, não faz parte da natureza de Deus.
  • a bíblia usa de linguagem humana para expressar Deus, no caso do termos como "ódio" "ira" são apenas antropopatias.
  • a ira e o ódio são linguagens figuradas para expressar a natureza JUSTA de Deus que não tem o cupado por inocente
Conclui-se que as passagens demonstram apenas a desaprovação das açóes dos homens, pois se de fato Deus os odiassem como poderia então amá-los?

1- Todos os homens são pecadores
Romanos 3:23  pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,
Romanos 5:18  Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.


2-Todos os homens estavam (alguns ainda estão) sob a  ira (julgamento retributivo) de Deus

 Efésios 2:3  entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.
4 ¶ Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou,
5  e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, —pela graça sois salvos,
6  e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus;
João 3:36  Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.
 Romanos 5:18  Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.
3-Deus amou a todos,  inclusive os que perecerão no inferno
1 Tm 2:1 ¶ Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens,
2  em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito.
3  Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador,
4  o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.
5  Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,

6  o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.

2 Pe 2:1 ¶ Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.


1 Timóteo 4:10  Ora, é para esse fim que labutamos e nos esforçamos sobremodo, porquanto temos posto a nossa esperança no Deus vivo, Salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis.

Hebreus 2:9  vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem.

Romanos 5:18  Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.

4- Jesus satisfez a justiça de Deus
Romanos 5:18  Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.

Mateus 3:15  Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu.
Mateus 5:17  Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir

5- Logo Deus nunca odiou o Homem, nem o diabo

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Porque o Messias necessariamente teria uma concepção sobrenatural, por uma mulher?

O Messias deveria nascer de uma virgem, ter uma concepção sobrenatural?
Sim. por 4 motivos
Resultado de imagem para virgin birth


1-O Messias é santo,sem pecado como os animais que o prefiguravam, tanto é que foi feito oferta pelo pecado (ver 13-)
Zc 3:8 ¶ Ouve, pois, Josué, sumo sacerdote, tu e os teus companheiros que se assentam diante de ti, porque são homens de presságio; eis que eu farei vir o meu servo, o Renovo.
9  Porque eis aqui a pedra que pus diante de Josué; sobre esta pedra única estão sete olhos; eis que eu lavrarei a sua escultura, diz o SENHOR dos Exércitos, tirarei a iniqüidade desta terra, num só dia.


Levítico 16:5  Da congregação dos filhos de Israel tomará dois bodes, para a oferta pelo pecado, e um carneiro, para holocausto.
Is 53:10 ¶ Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma (vida) como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos.

11  Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.

2- Toda concepção natural nasce com a natureza do pecado e como o Messias seria sem pecado, necessariamente não poderia ser concebido de forma natural
Salmos 51:5  Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe.
Salmos 58:3  Desviam-se os ímpios desde a sua concepção; nascem e já se desencaminham, proferindo mentiras

3- O messias era eterno (ver 14-), deveria portanto encarnar. Logo não poderia ter uma concepção natural
Miquéias 5:2  E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.
1 ¶ Disse o SENHOR ao meu SenhorAssenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.
2  O SENHOR enviará de Sião o cetro do seu poder, dizendo: Domina entre os teus inimigos.
3  Apresentar-se-á voluntariamente o teu povo, no dia do teu poder; com santos ornamentos, como o orvalho emergindo da aurora, serão os teus jovens.
4  O SENHOR jurou e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Mt 22:42  Que pensais vós do Cristo? De quem é filho? Responderam-lhe eles: De Davi.
43  Replicou-lhes Jesus: Como, pois, Davi, pelo Espírito, chama-lhe Senhor, dizendo:
44  Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés?
45  Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é ele seu filho?
46  E ninguém lhe podia responder palavra, nem ousou alguém, a partir daquele dia, fazer-lhe perguntas.

Is 9:6  Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus FortePai da Eternidade, Príncipe da Paz;

4- Por que foi predito

Isaías 7:14  Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel.
Mateus 1:23  Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco).

Para ver discussão sobre Is 7:14 ver http://averacidadedafecrista.blogspot.com.br/2016/10/por-que-o-pov-judeu-nao-aceita-jesus_24.html  pergunta 16-
Conclusão:
Por ser Eterno, Santo nascer como homem, o messias não poderia ser concebido de forma natural
Para ver um estudo sobre Is 53 veja:
http://averacidadedafecrista.blogspot.com.br/2016/11/is-53-israel-ou-jesus-um-resposta-aos.html

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Is 53 Israel ou Jesus? Um resposta aos judeus

Este trabalho tem 3 partes:
1- Discussão de quem é o Servo em Is 53.
2- Exegese de Is 53 versículo por versículo
3- Crítica da tradução judaica em português feita pelos judeus.

1-O Servo em Isaías é quem?

1-Os judeus dizem que o Servo em Isaías, porém  a identificação de quem é o servo depende do contexto, observe:


  • Isáias era o servo
Isaías 20:3  Então, disse o SENHOR: Assim como Isaías, meu servo, andou três anos despido e descalço, por sinal e prodígio contra o Egito e contra a Etiópia,
 Cântico 3

Is 50;4 ¶ O SENHOR Deus me deu língua de eruditos, para que eu saiba dizer boa palavra ao cansado. Ele me desperta todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que eu ouça como os eruditos.
5  O SENHOR Deus me abriu os ouvidos, e eu não fui rebelde, não me retraí.
6  Ofereci as costas aos que me feriam e as faces, aos que me arrancavam os cabelos; não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam.
7  Porque o SENHOR Deus me ajudou, pelo que não me senti envergonhado; por isso, fiz o meu rosto como um seixo e sei que não serei envergonhado.
8  Perto está o que me justifica; quem contenderá comigo? Apresentemo-nos juntamente; quem é o meu adversário? Chegue-se para mim.
9  Eis que o SENHOR Deus me ajuda; quem há que me condene? Eis que todos eles, como um vestido, serão consumidos; a traça os comerá.
10 ¶ Quem há entre vós que tema ao SENHOR e que ouça a voz do seu Servo? Aquele que andou em trevas, sem nenhuma luz, confie em o nome do SENHOR e se firme sobre o seu Deus.


  • Eliaquim era o servo
Isaías 22:20  Naquele dia, chamarei a meu servo Eliaquim, filho de Hilquias,

  • Davi era o servo
Isaías 37:35  Porque eu defenderei esta cidade, para a livrar, por amor de mim e por amor do meu servo Davi.

  • Israel era o servo
Isaías 41:8  Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo,
Isaías 41:9  tu, a quem tomei das extremidades da terra, e chamei dos seus cantos mais remotos, e a quem disse: Tu és o meu servo, eu te escolhi e não te rejeitei,

Isaías 43:10  Vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR, o meu servo a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que sou eu mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá.

Isaías 44:1  Agora, pois, ouve, ó Jacó, servo meu, ó Israel, a quem escolhi.
Isaías 44:2  Assim diz o SENHOR, que te criou, e te formou desde o ventre, e que te ajuda: Não temas, ó Jacó, servo meu, ó amado, a quem escolhi.
Isaías 44:21  Lembra-te destas coisas, ó Jacó, ó Israel, porquanto és meu servo! Eu te formei, tu és meu servo, ó Israel; não me esquecerei de ti.

Isaías 45:4  Por amor do meu servo Jacó e de Israel, meu escolhido, eu te chamei pelo teu nome e te pus o sobrenome, ainda que não me conheces.


Isaías 48:20  Saí da Babilônia, fugi de entre os caldeus e anunciai isto com voz de júbilo; proclamai-o e levai-o até ao fim da terra; dizei: O SENHOR remiu a seu servo Jacó.


  • O Messias era o servo:
a- o mediador da aliança, luz aos gentios- 1º cântico
Is 42:1 ¶ Eis aqui o meu servo, a quem sustenho; o meu escolhido, em quem a minha alma se compraz; pus sobre ele o meu Espírito, e ele promulgará o direito para os gentios.
2  Não clamará, nem gritará, nem fará ouvir a sua voz na praça.
3  Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega; em verdade, promulgará o direito.
4  Não desanimará, nem se quebrará até que ponha na terra o direito; e as terras do mar aguardarão a sua doutrina.
5 ¶ Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus e os estendeu, formou a terra e a tudo quanto produz; que dá fôlego de vida ao povo que nela está e o espírito aos que andam nela.
6  Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios;
7  para abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas.

b- O Messias é o servo- restaura Israel e é luz aos gentios,  -2º cântico
O v. 3 diz que o Servo é o verdadeiro Israel,,os v. 5-6,8 diz que o servo é quem restaura Israel o mediador da aliança não podendo ser portanto o próprio Israel, mas Israel representado pelo Messias. Além disso Israel  como nação não foi chamado desde o vente
Is 49:1 ¶ Ouvi-me, terras do mar, e vós, povos de longe, escutai! O SENHOR me chamou desde o meu nascimento, desde o ventre de minha mãe fez menção do meu nome;
2  fez a minha boca como uma espada aguda, na sombra da sua mão me escondeu; fez-me como uma flecha polida, e me guardou na sua aljava,
3  e me disse: Tu és o meu servo, és Israel, por quem hei de ser glorificado.
4  Eu mesmo disse: debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei as minhas forças; todavia, o meu direito está perante o SENHOR, a minha recompensa, perante o meu Deus.
5  Mas agora diz o SENHOR, que me formou desde o ventre para ser seu servo, para que torne a trazer Jacó e para reunir Israel a ele, porque eu sou glorificado perante o SENHOR, e o meu Deus é a minha força.
6  Sim, diz ele: Pouco é o seres meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os remanescentes de Israel; também te dei como luz para os gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra.
7 ¶ Assim diz o SENHOR, o Redentor e Santo de Israel, ao que é desprezado, ao aborrecido das nações, ao servo dos tiranos: Os reis o verão, e os príncipes se levantarão; e eles te adorarão por amor do SENHOR, que é fiel, e do Santo de Israel, que te escolheu.
8  Diz ainda o SENHOR: No tempo aceitável, eu te ouvi e te socorri no dia da salvação; guardar-te-ei e te farei mediador da aliança do povo, para restaurares a terra e lhe repartires as herdades assoladas;
9  para dizeres aos presos: Saí, e aos que estão em trevas: Aparecei. Eles pastarão nos caminhos e em todos os altos desnudos terão o seu pasto.
10  Não terão fome nem sede, a calma nem o sol os afligirá; porque o que deles se compadece os guiará e os conduzirá aos mananciais das águas.
11  Transformarei todos os meus montes em caminhos, e as minhas veredas serão alteadas.
12  Eis que estes virão de longe, e eis que aqueles, do Norte e do Ocidente, e aqueles outros, da terra de Sinim.


c- O Messias é o servo- 4º cântico- Estrutura:
1ª – 52.13-15: a exaltação do Servo 
2ª – 53.1-3: a rejeição do Servo 
3ª – 53.4-6: a morte vigária do Servo
4ª – 53.7-9: a submissão do Servo
5ª – 53.10-12: o triunfo do Servo 


Is 52:13 ¶ Eis que o meu Servo procederá com prudência; será exaltado e elevado e será mui sublime.
14  Como pasmaram muitos à vista dele (pois o seu aspecto estava mui desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua aparência, mais do que a dos outros filhos dos homens),
15  assim causará admiração às nações, e os reis fecharão a sua boca por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que não ouviram entenderão.
Is 53:1 ¶ Quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do SENHOR?
2  Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse.
3  Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso.
4 ¶ Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.
5  Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
6  Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.
7  Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.
8  Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido.
9  Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca.
10 ¶ Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos.
11  Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.
12  Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.



1-Is 53:2 fala de um Renovo, e o renovo é uma figura do Messias. Além disso o Messias é chamado de 'meu servo'
Zacarias 3:8  Ouve, pois, Josué, sumo sacerdote, tu e os teus companheiros que se assentam diante de ti, porque são homens de presságio; eis que eu farei vir o meu servo, o Renovo.
Zacarias 6:12  E dize-lhe: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Eis aqui o homem cujo nome é Renovo; ele brotará do seu lugar e edificará o templo do SENHOR.

Isaías 4:2  Naquele dia, o Renovo do SENHOR será de beleza e de glória; e o fruto da terra, orgulho e adorno para os de Israel que forem salvos.
Isaías 11:1  Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo.
Isaías 53:2  Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse.

Jeremias 23:5  Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, rei que é, reinará, e agirá sabiamente, e executará o juízo e a justiça na terra.
Jeremias 33:15  Naqueles dias e naquele tempo, farei brotar a Davi um Renovo de justiça; ele executará juízo e justiça na terra.

2-Is 53:8-9 faz distinção entre Israel que foi levado cativo por seus pecados (ver 3-) e o Servo
8  Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido.
11  Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.


3-Is 53:9 fala de um homem que nunca pecou, ao contrário da nação de Israel
9  Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca.

Is 42:24  Quem entregou Jacó por despojo e Israel, aos roubadores? Acaso, não foi o SENHOR, aquele contra quem pecaram e nos caminhos do qual não queriam andar, não dando ouvidos à sua lei?

25  Pelo que derramou sobre eles o furor da sua ira e a violência da guerra; isto lhes ateou fogo ao redor, contudo, não o entenderam; e os queimou, mas não fizeram caso.

Is 2:6 Pois, tu, SENHOR, desamparaste o teu povo, a casa de Jacó, porque os seus se encheram da corrupção do Oriente e são agoureiros como os filisteus e se associam com os filhos dos estranhos.
7  A sua terra está cheia de prata e de ouro, e não têm conta os seus tesouros; também está cheia de cavalos, e os seus carros não têm fim.
8  Também está cheia a sua terra de ídolos; adoram a obra das suas mãos, aquilo que os seus próprios dedos fizeram.

3:8  Porque Jerusalém está arruinada, e Judá, caída; porquanto a sua língua e as suas obras são contra o SENHOR, para desafiarem a sua gloriosa presença.
9 ¶ O aspecto do seu rosto testifica contra eles; e, como Sodoma, publicam o seu pecado e não o encobrem. Ai da sua alma! Porque fazem mal a si mesmos.

Is 5:1 ¶ Agora, cantarei ao meu amado o cântico do meu amado a respeito da sua vinha. O meu amado teve uma vinha num outeiro fertilíssimo.
2  Sachou-a, limpou-a das pedras e a plantou de vides escolhidas; edificou no meio dela uma torre e também abriu um lagar. Ele esperava que desse uvas boas, mas deu uvas bravas.
3  Agora, pois, ó moradores de Jerusalém e homens de Judá, julgai, vos peço, entre mim e a minha vinha.
4  Que mais se podia fazer ainda à minha vinha, que eu lhe não tenha feito? E como, esperando eu que desse uvas boas, veio a produzir uvas bravas?
5  Agora, pois, vos farei saber o que pretendo fazer à minha vinha: tirarei a sua sebe, para que a vinha sirva de pasto; derribarei o seu muro, para que seja pisada;
6  torná-la-ei em deserto. Não será podada, nem sachada, mas crescerão nela espinheiros e abrolhos; às nuvens darei ordem que não derramem chuva sobre ela.
7  Porque a vinha do SENHOR dos Exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta dileta do SENHOR; este desejou que exercessem juízo, e eis aí quebrantamento da lei; justiça, e eis aí clamor.

Is 30:9  Porque povo rebelde é este, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do SENHOR.
10  Eles dizem aos videntes: Não tenhais visões; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, profetizai-nos ilusões;
11  desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; não nos faleis mais do Santo de Israel.
12  Pelo que assim diz o Santo de Israel: Visto que rejeitais esta palavra, confiais na opressão e na perversidade e sobre isso vos estribais,
13  portanto, esta maldade vos será como a brecha de um muro alto, que, formando uma barriga, está prestes a cair, e cuja queda vem de repente, num momento.
14  O SENHOR o quebrará como se quebra o vaso do oleiro, despedaçando-o sem nada lhe poupar; não se achará entre os seus cacos um que sirva para tomar fogo da lareira ou tirar água da poça.

15  Porque assim diz o SENHOR Deus, o Santo de Israel: Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação; na tranqüilidade e na confiança, a vossa força, mas não o quisestes.

Is 57:17 ¶ Por causa da indignidade da sua cobiça, eu me indignei e feri o povo; escondi a face e indignei-me, mas, rebelde, seguiu ele o caminho da sua escolha.
18  Tenho visto os seus caminhos e o sararei; também o guiarei e lhe tornarei a dar consolação, a saber, aos que dele choram.

Is 59:121Porque as nossas transgressões se multiplicam perante ti, e os nossos pecados testificam contra nós; porque as nossas transgressões estão conosco, e conhecemos as nossas iniqüidades,
13  como o prevaricar, o mentir contra o SENHOR, o retirarmo-nos do nosso Deus, o pregar opressão e rebeldia, o conceber e proferir do coração palavras de falsidade.
14  Pelo que o direito se retirou, e a justiça se pôs de longe; porque a verdade anda tropeçando pelas praças, e a retidão não pode entrar.

:Is 64:9  Não te enfureças tanto, ó SENHOR, nem perpetuamente te lembres da nossa iniqüidade; olha, pois, nós te pedimos: todos nós somos o teu povo.
10  As tuas santas cidades tornaram-se em deserto, Sião, em ermo; Jerusalém está assolada.
11  O nosso templo santo e glorioso, em que nossos pais te louvavam, foi queimado; todas as nossas coisas preciosas se tornaram em ruínas.
12  Conter-te-ias tu ainda, ó SENHOR, sobre estas calamidades? Ficarias calado e nos afligirias sobremaneira?

Is 66:3  O que imola um boi é como o que comete homicídio; o que sacrifica um cordeiro, como o que quebra o pescoço a um cão; o que oferece uma oblação, como o que oferece sangue de porco; o que queima incenso, como o que bendiz a um ídolo. Como estes escolheram os seus próprios caminhos, e a sua alma se deleita nas suas abominações,
4  assim eu lhes escolherei o infortúnio e farei vir sobre eles o que eles temem; porque clamei, e ninguém respondeu, falei, e não escutaram; mas fizeram o que era mau perante mim e escolheram aquilo em que eu não tinha prazer.


4- Is 53:9-10 fala de um homem dando sua alma como oferta pelo pecado, o que exclui Israel, pois toda oferta pelo pecado era santa, inculpável. Os exílios sofridos por Israel (tribos do Norte) e Judá (Sul) foram resultado dos seus pecados contra a palavra de Javé (Os 8.13-14; Is 1.21-31
9  Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca.
10 ¶ Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos.

5- Is 53:8-9,12 fala de um homem morto e sepultado por causa do povo judeu, não sendo portanto Israel.
8  Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido.
9  Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca.
12  Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.


6- Is 53:8 fala da morte por causa de um juízo opressor
8  Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido. 

7-Is 53:9-11 fala de um homem sem pecado dando sua vida como oferta pelo pecado, levando o pecado e depois de morto, isto é, ressuscitado verá toda a sua obra. Os exílios sofridos por Israel (tribos do Norte) e Judá (Sul) foram resultado dos seus pecados contra a palavra de Javé (Os 8.13-14; Is 1.21-31;
9  Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca.
10 ¶ Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos.
11  Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.

8-Is 53 não pode ser Israel pois o Servo, por não ter pecado não leva seu próprio pecado mas dos outros
11  Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si
8  Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido.
12  Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.

9- Is 53 não pode se referir a Israel pois o Servo que não pecou não intercede por si, mas por outros
12  Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.



10-Is 52:13 fala de uma exaltação cabível somente a Deus 

13 ¶ Eis que o meu Servo procederá com prudência; será exaltado e elevado e será mui sublime.
"O v.13b apresenta três ações verbais: 1) “será exaltado”, qal imperfeito rum “ser elevado”, “ser exaltado”. Trata-se de uma exaltação depois da humilhação. 2) “elevado” é a tradução de nasa’ nifal waw consecutivo perfeito “ser levantado”, “ser exaltado”. Refere-se a uma exaltação contínua. 3) “e será mui sublime” provém da raiz verbal gabah qal waw consecutivo perfeito “ser sublime”, “ser alto”, seguido pelo particípio adverbial me’od “extremamente”, “muito”.  Essa expressão destaca a posição de honra, adquirida pelo Servo de Javé.Em outros textos de Isaías, essas três formas verbais (rumnasa’ e gabah) descrevem a glória de Deus:16

Isaías 6.1: “....eu vi o Senhor assentado sobre um alto (rum) e sublime (nasa’ ) trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo”.
Isaías 33.10: “Agora, me levantarei, diz o Senhor; levantar-me-ei (nasa’) a mim mesmo; agora, serei exaltado (ramam )”.17 
Isaías 57.15: “Porque assim diz o Alto (rum), o Sublime (nasa’), que habita a eternidade"
Isaías 5.16: “Mas o Senhor dos Exércitos é sublime (gabah) em juízo; e Deus, o Santo, é santificado em justiça”.
 A conclusão é óbvia: o Servo é equiparado a Javé. Trata-se de um personagem divino. Portanto, não pode ser identificado com Isaías ou com outro profeta do AT. Ele não é somente homem. É Deus, também. Valhamos do comentário de Ridderbos, sobre Isaías 52.13: “Com boas razões, alguns intérpretes fazem com que estas palavras lembrem a ressurreição, ascensão, entronização de Cristo à mão direita do Pai”.18  Assim, o texto isaiano é uma antecipação de Filipenses 2.5-11
(...)”.http://www.teologiabrasileira.com.br/teologiadet.asp?codigo=431

Notadamente há uma grande diferença entre o Servo e o povo de Israel: 
1. O Servo não tem pecado; é perfeito. Só um Cordeiro perfeito poderia se oferecer como “oferta pela culpa” (53.10). Em contrapartida, Israel é pecador. Em Isaías 42.19, Javé acusa o seu povo de cegueira espiritual. Obviamente este povo rebelde não estava em condições para resgatar ninguém. Na verdade, ele mesmo precisa ser regado pelo sacrifício do Servo.  
2. O Servo sofreu imerecidamente o juízo de Deus. Ele foi oprimido por Deus porque outros pecaram contra Deus (53.4-6, 8, 11), diferentemente de Israel que sofreu o exílio merecidamente, pois pecou contra Javé (Is 1.25; 3.8; cf. Lm 1.8, 18; etc.).  
3. O Servo foi para o matadouro como uma ovelha, sem abrir a boca (53.7). Em contrapartida, Israel, quando foi julgado por Deus, reclamou contra Deus (Is 40.27).
Existem também nítidas diferenças entre o Servo e outros personagens do AT:
1) O Servo é identificado com Javé (52.13). Ele é homem, mas é Deus. Nenhum outro personagem do AT, seja dentre os profetas ou dentre os reis tementes a Javé, ousaria aplicar tais honrarias para si mesmo.  
2) O Servo de Javé realizou um sacrifício pelo pecado do povo; a oferta foi o seu próprio corpo (53.10). Nenhum outro personagem do AT realizou essa obra. 
3) Conforme observamos, o texto de Isaías descreve a ressurreição do Servo, que resultaria na justificação dos pecadores (53.10-12); obviamente isso não se aplica a nenhum herói da fé do AT. O único que “ressuscitou para a nossa justificação” é Cristo (Rm 4.25)." 
http://www.teologiabrasileira.com.br/teologiadet.asp?codigo=431

Conclusão:
De forma alguma Is 53 se refere ao Servo como sendo o povo de Israel mas uma pessoa que:

1- Era um homem.
2- Foi morto.
3- Não pecou.
4- Ressuscitou.
5- Sofreu e morreu pelos pecados de outros.
6- foi oferta pelo pecado de outros.
7- Foi contado entre os trangressores injustamente.
8- Não reclamou
9- Intercedeu por outros e os justificou.
10- Foi exaltado como Deus.

Para maiores detalhes sobre o que diz a Bíblia sobre o Messias:   http://averacidadedafecrista.blogspot.com.br/2016/10/por-que-o-pov-judeu-nao-aceita-jesus_24.html



2-Exegese de Is 52 a 53- versículo por versículo:
"52.13-15: A exaltação do Servo 
Esta estrofe descreve a fala de Deus: 

52.13Eis que o meu Servo prosperará;11
será exaltado e elevado e será mui sublime.

14Como pasmaram muitos à vista dele,12 pois uma desfiguração13  humana era o seu aspecto, e a sua forma, daquela dos filhos da humanidade,

15assim espantará14  muitas nações,
por causa dele os reis fecharão a sua boca;
porque aquilo que não lhes foi anunciado verão,
e aquilo que não ouviram entenderão. 
No v.13a, o verbo “prosperará” é a tradução de sakal hifil imperfeito “olhar para discernir”, “dar atenção a”, “ponderar”, “considerar”, “ser prudente”; “prosperar”, “ter sucesso”. Há uma questão que precisa ser respondida: este verbo, aqui, apresenta o sentido de “ser prudente” ou de “ter sucesso”? A forma verbalsakal nos textos sapienciais significa “agir com prudência”, mas, nos textos que não pertencem à literatura sapiencial (como Is 52-13-53.12), normalmente a raiz skl refere-se a uma pessoa de “sucesso”.15  No caso de Isaías 52.13, sakal refere-se à “prudência”, mas o enfoque do texto está no sucesso resultante da obediência a Javé. Esse mesmo sentido de sakal também é apresentado em Josué 1.7, 8. 

O v.13b apresenta três ações verbais: 1) “será exaltado”, qal imperfeito rum “ser elevado”, “ser exaltado”. Trata-se de uma exaltação depois da humilhação. 2) “elevado” é a tradução de nasa’ nifal waw consecutivo perfeito “ser levantado”, “ser exaltado”. Refere-se a uma exaltação contínua. 3) “e será mui sublime” provém da raiz verbal gabah qal waw consecutivo perfeito “ser sublime”, “ser alto”, seguido pelo particípio adverbialme’od “extremamente”, “muito”.  Essa expressão destaca a posição de honra, adquirida pelo Servo de Javé.

Em outros textos de Isaías, essas três formas verbais (rumnasa’ e gabah) descrevem a glória de Deus:16

Isaías 5.16: “Mas o Senhor dos Exércitos é sublime (gabah) em juízo; e Deus, o Santo, é santificado em justiça”.

Isaías 6.1: “....eu vi o Senhor assentado sobre um alto (rum) e sublime (nasa’ ) trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo”.

Isaías 33.10: “Agora, me levantarei, diz o Senhor; levantar-me-ei (nasa’) a mim mesmo; agora, serei exaltado (ramam )”.17

Isaías 57.15: “Porque assim diz o Alto (rum), o Sublime (nasa’), que habita a eternidade (...)”.
A conclusão é óbvia: o Servo é equiparado a Javé. Trata-se de um personagem divino. Portanto, não pode ser identificado com Isaías ou com outro profeta do AT. Ele não é somente homem. É Deus, também. Valhamos do comentário de Ridderbos, sobre Isaías 52.13: “Com boas razões, alguns intérpretes fazem com que estas palavras lembrem a ressurreição, ascensão, entronização de Cristo à mão direita do Pai”.18  Assim, o texto isaiano é uma antecipação de Filipenses 2.5-11.

No v.14, o profeta começa a descrever a humilhação do Servo. O verbo “pasmaram” é a tradução deshamem qal perfeito “estar desolado”, “estar aterrorizado”, “atordoar”, “estupefazer”. A raiz aponta para uma “desolação resultante de uma catástrofe, mas também pode significar “horror” e “estarrecimento”, que são “reações provocadas pela visão da desolação”19  (cf. Dt 28.37; 2Rs 22.19). O pasmo é provocado nas pessoas que veem as atrocidades cometidas contra o Servo de Javé. “desfiguração (da face)” é uma “esfiguração humana” (hebraico mixhat me’ix). O Servo estava totalmente desfigurado. Não parecia mais homem. Isso causa espanto e pasmo naquelas pessoas que olham para Ele. 

O v.15 descreve a atitude das “nações” e dos “reis” diante do Servo. O verbo “espantará” é o hebraiconazah hifil imperfeito “fazer saltar”, “assustar”, e poderia ser traduzido como “causará admiração”. De acordo com Oswalt, trata-se de nazah II “espanto”.20  Há duas interpretações possíveis para esse verbo. Primeira: as nações e os reis estão espantados por causa da exaltação do Servo. Não entendem como alguém que apresenta uma face inumana (“desfiguração humana”, v.14), agora é exaltado à categoria de monarca. Por isso, as nações estão surpresas e admiram o Servo. Os reis fecham a boca, em sinal de temor (Jó 29.9-10, 21ss), pois “aquilo que lhes foi anunciado verão”; “isto é, o que agora eles veem com seus olhos ultrapassa qualquer coisa que já ouviram”.21 Uma segunda interpretação defende que o v.15 está totalmente voltado para a humilhação do Servo. É justamente essa humilhação que causa espanto nas nações e nos reis. “As perseguições que o Servo sofrerá com grande paciência (53.7) são um escândalo para os espectadores (52.14-15; 53.2-3, 7-9)...”.22  “Nesta redação, os gentios acharão chocante a humilhação do Libertador, visto que jamais ouviram antes que é por meio da perda de todas as coisas que o Salvador conquistará todas as coisas.”23 

Na verdade as duas interpretações podem ser relacionadas. De acordo com o v.13, o Servo é equiparado a Javé. É exaltado. Mas no v.14, ele está desfigurado por causa do seu sofrimento. Então, o que causa espanto nas nações e nos reis é o fato do Servo exaltado ser humilhado. Trata-se de um monarca humilhado. Qualquer rei, diante dessa cena, ficaria estupefato. Pois o Servo, que é Deus, apresenta a face desfigurada por causa do sofrimento. Isto é inconcebível aos olhos humanos, principalmente aos olhos dos reis. Por isso, o profeta levanta uma questão em 53.1: “Quem creu naquilo que ouvimos?”. O personagen apresentado aqui se encaixa perfeitamente na figura do Cristo crucificado. A mensagem da cruz foi rejeitada pelos judaizantes do primeiro século, que esperavam um Messias que se apresentaria como Rei poderoso, um guerreiro heroi, que libertaria Israel do jugo do império romano. A mensagem do Evangelho, que apresentava o Messias crucificado e humilhado, era inaceitável para eles (Is 53.1; veja Rm 10.16; Jo 12.38;). A mensagem da cruz é loucura para os que se perdem (1Co 1.18)!

53.1-3: A rejeição do Servo 

Não existe unanimidade entre os comentaristas sobre a identificação do pronome “nós”, em Isaías 53.1. Seriam as “nações/reis” como representantes dos gentios (52.15)? Seria o profeta como representante da comunidade de Israel? Possivelmente o pronome seja uma referência à comunidade de Israel, no caso, o remanescente fiel que crê no Servo de Javé.

53.1Quem creu naquilo que ouvimos24?
E a quem foi revelado o braço de Javé?

2Porque foi subindo como renovo25 perante ele 26
e como raiz de uma terra seca;
não tinha aparência nem formosura,
e quando olhamos para ele, nenhuma beleza havia para que o desejássemos.

3Era desprezado e rejeitado pelos homens;
homem de dores e que conhece27  o sofrimento28;
e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado29, e dele não fizemos caso.
No v.1, nota-se a forma verbal xemu‘atenu particípio qal “ouvimos”, “aquilo que foi ouvido de/por nós”30. O substantivo xemu‘ah significa “notícia”, “nova”. Mas essa mensagem seria recebida com incredulidade (cf. Jo 12.38; Rm 10.16). Na verdade, o que é rejeitado e considerado como inconcebível pelos incrédulos é a exaltação do Servo na primeira estrofe (52.13-15) quando comparada com seu sofrimento descrito nos versos seguintes.31

O “braço de Javé” expressa a ação salvífica de Deus para Israel. Considerando a total incapacidade de Israel para salvar-se a si mesmo, Javé faria isso por meio de seu poderoso “braço” (40.10; 48.14; 51.5; 52.10).  Mas essa ação poderosa de Deus só pode se “revelar” (hebraico galah “descobrir”, “remover”) mediante a humilhação do Servo. O poder de Deus se manifesta na fraqueza!

O v.2a refere-se às origens humildades do Servo. A palavra yoneq “renovo” significa “criança de peito” ou “árvore nova”. Este último sentido é mais plausível, pois aqui está relacionado com xorex “raiz” (de árvore).  O Servo está “subindo” (‘alah qal waw consecutivo perfeito “subir”, “ascender”), aparecendo a partir de um tronco fincado em “terra seca”. 

O Servo “não tinha aparência nem formosura” (v.2b). Nada de atrativo. Claus Westermann comenta que no AT a boa aparência e a beleza física normalmente estão associadas à bênção de Javé, como se lê nas narrativas que apresentam José e Davi (Gn 39.6b; 1Sm 16.18); o Servo, porém, não tinha esses requisitos, o que poderia levar o seus observadores a dizerem que Ele não tinha a bênção de Javé.33 

Será que Aquele nazareno, pobre carpinteiro, desprezado por seus familiares e por seu próprio povo, poderia mudar a história da humanidade? Seria Ele o Messias? Seria possível um profeta ser levantado da Galileia (Jo 7.52)? Um homem crucificado. Que poder há nisso? Entretanto, essa é a imagem apresentada no v.2: um renovo que surge em meio à sequidão. É a vida surgindo na “terra seca”, onde reina morte. 

Mas os “homens” (v.3a) rejeitam as aparências humildes do Servo. Afinal, eles se atêm às aparências humanas, e desprezam o poder de Javé que seria manifesto a partir de um humilde troco de árvore fincado em terra seca.  

O v.3b apresenta duas descrições do Servo: “homem de dores e que sabe o que é padecer”. Na primeira, o Servo é ’ix mak’obot, “homem de dores”. A palavra mak’obot “dores” refere-se ao sofrimento físico e mental. Na segunda descrição, a forma verbal apresenta variantes textuais. O Texto Massorético apresentawidua‘ qal particípio passivo “e foi conhecido”. Seguimos a proposta da BHS/Biblia Hebraica Stuttgartensia: possivelmente trata-se de weyode‘a qal particípio ativo “e que sabe”, apresentado nos rolos de Qumran. De qualquer modo, a raiz verbal yada‘ “saber/conhecer” é utilizada com o sentido de “saber por experiência”. No caso, o Servo sabe por experiência o que é o “sofrimento. O substantivo hebraico holi normalmente é traduzido como “doença”, mas apresenta o sentido de “sofrimento”34.  Em alguns casos o significado da raiz hlh é de fragilidade decorrente de ferimentos físicos.35

Por fim, o v.3c descreve a rejeição do Servo. Ele não desperta nenhum interesse nos seus expectadores: “e dele não fizemos caso”.

O sentido geral do v.3 foi muito bem compreendido por Oswalt: “Ele [Servo] não é um dos vencedores; ele é um dos perdedores...Ele é um homem de dores e enfermidades; o que pode ele fazer pelo restante de nós?”.36 

53.4-6: A morte vigária do Servo
Os v.3-6 descrevem a morte substitutiva do Servo. O texto apresenta a primeira pessoa do plural (“nós”). É a comunidade que fala, como em 53.1-3. O Servo foi castigado no lugar das pessoas dessa comunidade. 

4Certamente, ele carregou os nossos sofrimentos37 
e as nossas dores ele38  levou;
e o reputávamos como machucado, ferido por Deus e oprimido.

5Mas ele foi traspassado39  pelas nossas transgressões
e moído pelas nossas iniquidades;
o castigo que nos traz a paz estava sobre ele,40
e suas feridas foram cura para nós.41

6Todos nós, como ovelhas, andávamos desgarrados;
cada um se desviava pelo seu caminho, 
mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. 

No v.4, a linguagem das duas primeiras frases aproxima-se da segunda frase do v.3 (“homem de dores e que conhece o sofrimento”). Novamente o profeta emprega os termos mak’obot “dores” e holi “sofrimento”, “doença”. Como já foi observado na análise do v.3, o termo holi não somente refere-se aos males físicos relacionados à doença, mas abrange todo tipo de sofrimento humano. mak’obot “dores” inclui sofrimentos físicos e mentais. Portanto, o Servo não sofre de alguma doença infectocontagiosa. O texto simplesmente realça sua dor e o seu sofrimento, tanto no âmbito emocional como no físico.  A análise dos verbos utilizados aqui revela que a morte do Servo seria vigária.  O verbo nasa’ “carregar” (“levantar”, “erguer”, “tomar”) apresenta o sentido da morte substitutiva do Servo. O mesmo verbo é empregado em Levítico16.22 em referência ao bode vivo, que, no “dia da expiação” (yom kippur), carregava sobre si as “iniquidades” de Israel, e as levava para o deserto: “aquele bode levará (nasa’) sobre si todas as iniquidades deles para terra solitária”.  O verbo sabal “carregar” apresenta o sentido de “carregar uma carga”, “arrastar-se”. No caso, era o ‘fardo’ do sofrimento da comunidade que pesava sobre o Servo. Ele “tomou sobre si” e “levou sobre si”; “consequentemente, carregou-o vicariamente como alguém que toma um fardo pesado do ombro de outrem e o carrega para aquela pessoa”.42 

A última frase do v.4 continua a descrever o sofrimento do Servo. Ele é considerado pela comunidade como “machucado”, tradução de naga‘qal particípio “tocar”, “alcançar”, “bater”. A expressão seguinte o descreve como “ferido por Deus e oprimido”. O primeiro verbo, nakah hofal particípio “ser ferido”, “ser golpeado”, apresenta “Deus” como sujeito da ação. O segundo verbo, ‘anah poal particípio, pode ser traduzido como “ser oprimido”, “ser afligido”, “ser humilhado”, e, à semelhança do verbo anterior, a ação apresentada por ele é praticada por “Deus”. Quer dizer, não são homens que levam o Servo ao sofrimento, mas o próprio Deus. O plano não é humano; é divino. 

Se no v.4 o Servo carrega sobre Si o sofrimento da comunidade, o v.5 explicitará que sua morte substitutiva não ocorre somente para suportar as dores do seu povo, mas, principalmente, para proporcionar o perdão dos pecados para ele. No TM/Texto Massorético, a forma verbal meholal “foi transpassado” é o poal particípio de halal “profanar”. Segundo a BHS, provavelmente trata-se de mehullal“profanado”, corroborado por Aquila e pelo Targum. No poal, grau em que se encontra o verbo hebraico, o sentido é de “ser ferido” (Strong’s Hebrew), e a raiz halal alude ao perfurar do corpo com um instrumento afiado (Is 51.9; Sl 109.22).43  Trata-se, pois, de uma morte violenta (Is 22.2; 66.16), resultante de uma perfuração. É impossível não identificar aqui aquilo que é descrito por Mateus 27.35: “Depois de o crucificarem, repartiram entre si as suas vestes, tirando a sorte.” O verbo grego utilizado por Mateus para “crucificar” é stauroo, que significa “fixar” ou “fincar com estacas”. A palavra “cruz” literalmente significa “estaca”, porque originalmente, no antigo Israel, era uma estaca usada em fortificações, e depois passou a ser usada como instrumento de tortura e morte. Num período posterior, possivelmente na época dos romanos, adicionou-se uma travessa horizontal (patibulum), na qual a pessoa era amarrada ou cravada. Notadamente o texto isaiano já antevia a crucificação do Messias, exatamente nos termos em que é descrita no NT.

Na sequência, o verbo “moído” é a tradução do hebraico dakah pual particípio “ser esmagada”, “ser despedaçado”. A razão de tamanha violência são as “iniquidades” da comunidade. O hebraico ‘awon“iniquidade” apresenta o sentido de “perversidade”, “depravação”. Já o termo pesha’ “transgressão”, na primeira frase do v.5, enfatiza a rebelião contra a autoridade de Deus.44

Os termos “transpassado” e “moído”, juntos, descrevem a terrível violência de Deus contra o Seu Servo. Afinal, é assim que Deus trata o pecado: com morte violenta. Nota-se aqui a seriedade da rebelião contra Deus. Não há outro jeito de lidar com o pecado, senão através da morte que é o salário do pecado. Assim, a morte violenta do Servo sinaliza a seriedade do pecado.

É importante também notar que os antigos israelitas acreditavam que todo sofrimento é resultado do pecado (veja a história de Jó; também Jo 9.2). Segundo esse ponto de vista, muitos achavam que o Servo estava sendo castigado por Deus por causa de algum pecado por ele cometido, quando, na verdade, estava sofrendo por causa das nossas transgressões.45

O final do v.5 ressalta que a morte do Servo trouxe “paz” para a comunidade: musar xelomenu ‘alayw “o castigo que nos traz a paz estava sobre ele”, literalmente “o castigo da nossa paz”. No hebraico trata-se de um genitivo que indica propósito: a punição sobre o Servo apresenta o propósito de trazer a “nossa paz”, implicando que a paz com Deus foi obtida mediante a morte do Servo que sofreu a justa punição requerida pelo próprio Deus.46  O termo musar “castigo” evoca a “disciplina” de um pai aplicada ao filho (Jó 5.17; Pv 22.15; 23.13).  A “paz”, xalom, é o bem-estar resultante de relações pessoais equilibradas e saudáveis. Quando o filho se rebela, o pai é ofendido, e o xalom/”bem-estar” é rompido; somente o “castigo/disciplina” pode satisfazer a justiça e restabelecer o xalom.47  Assim também, Deus não poderia se relacionar com o homem, até que sua justiça fosse satisfeita. Foi justamente a obra de Cristo que tornou possível a paz entre Deus e o homem (Rm 5.1).

A última frase do v.5 afirma que “suas feridas foram cura para nós”. O verbo rapa’ “curar” não se refere somente à cura física. Isaltino Gomes afirma que, em Isaías 6.10, o verbo está relacionado com a conversão, e em 1Pedro 2.24 “este texto é aplicado à obra de Jesus e a questão de ser sarado está ligado a ser salvo... ‘Sarar’ ou ‘curar’ é mais amplo que não ter doenças. É ter a maior de todas as curas, a saúde de relacionar-se bem com Deus.”48  Em Isaías 19.22, o mesmo verbo também está relacionado com a conversão. Portanto, é possível afirmar que rapa’ alude tanto à cura física quanto à espiritual, indicando a restauração holística do ser humano, que, aliás, é um conceito soteriológico muito importante no Antigo Testamento.49

As duas primeiras frases do v.6 ilustram a rebelião do pecado humano. Aqueles que cometem “iniquidade” (hebr. ‘awon) são como ovelhas desgarradas. Na segunda frase, a palavra ledarko pode ser traduzida como “pelo seu caminho” ou “para o seu caminho”. O termo derek “caminho” está prefixado com a preposição le, “para”, “em direção a”, e sufixado com o pronome na terceira pessoa “seu”, “dele’. Ou sentido da frase é: “cada um queria seguir o seu próprio caminho”. Aqui está o cerne do pecado. É o egoísmo. É a busca pela realização pessoal elaborada a partir de uma vida que trilha seus próprios caminhos independentemente da vontade de Deus. É a rebelião contra Deus em nome da realização de sonhos pessoais.

A última frase do v.6, à semelhança do v.5, descreve a morte vigária do Servo. Mas há um enfoque especial nela: “mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós”. A morte do Servo efetiva a expiação da “iniquidade de todos nós”. A palavra hebraica kullanu “todos nós” ocorre no início do v.6 e no seu final. É a primeira e a última palavra do verso. No início, todos se rebelam contra Deus. No final, todos são perdoados pela morte do Servo. Então, todos pecaram, mas o perdão alcançado pela morte do Servo está disponível para todos. É preciso explicar, contudo, que o “todos”, no contexto do quarto Cântico do Servo, são o conjunto de pessoas que compõem a comunidade de Javé. 

Nossa análise dos v.4-6 constatou que o “servo” mencionado nesses versos de modo algum pode ser aplicado a Israel. O povo de Israel e o de Judá sofreram merecidamente os exílios. Pecaram. Diferente de Israel, o Servo era inocente. O Servo enfrenta o sofrimento cruel por causa dos pecados dos outros. 

53.7-9: A submissão do Servo
Os v.7-9 focalizam a morte voluntária do Servo. Apesar das humilhações sofridas, o Servo seria honrado por Javé.  

7Foi oprimido,50 mas livremente ele se humilhou,51 e não abriu a boca;
como cordeiro foi levado ao matadouro;
e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores,
não abriu a boca.52

8Depois do aprisionamento e do julgamento, foi arrebatado,53
e de sua linhagem, quem dela cogitou?
Porquanto foi cortado da terra dos viventes;
por causa da transgressão do meu povo,54, 55 foi ferido.56

9Designaram57  a sua sepultura com os ímpios,
mas com o rico58  esteve na sua morte,59
ainda que não praticasse violência,
e nem engano se achasse em sua boca.
O v.7 descreve a morte submissa do Servo, que, como um “cordeiro” conduzido ao “matadouro”, “não abriu a boca”. O termo “oprimido” é a tradução da forma verbal niggas, nifal perfeito de nagas, “ser duramente pressionado”. Apresenta o sentido de ser “maltrato” (BJ). A mesma forma verbal é empregada em Êxodo 3.7, referindo-se à opressão dos egípcios sobre os israelitas. “Não era apenas uma coerção ou uma leve angústia emocional. Denota uma situação real, concreta, de sofrimento pesado.”60 A sentença seguinte inicia-se pela partícula adversativa “mas61 ele livremente se humilhou”. Enfatiza-se assim que o maltrato sofrido é voluntário. No texto hebraico, o sujeito da ação verbal é o pronome independente terceira pessoa masculina hu’, “ele”, que precede o nifal partícipio ‘anah “ser humilhado”, “ser afligido”. Normalmente a língua hebraica não utiliza o pronome pessoal antes das formas verbais. Quando utiliza, é porque focaliza o sujeito da ação. No caso, o pronome aqui em Isaías 53.7 enfatiza a voluntariedade do Servo; ou seja, se sofreu, é porque “ele livremente se humilhou”.  A terceira sentença, por sua vez, descreve o silêncio do Servo: “e não abriu a boca”. 

É difícil não identificar aqui o Servo apresentado na nova aliança. As páginas do NT apresentam tanto a submissão (Lc 9.51) como o silêncio (Mt 27.11, 14) do Servo. O seu silêncio evidencia sua submissão. Cristo entregou-se voluntariamente. É verdade que Ele foi condenado à cruz por meio de um julgamento injusto e calunioso (Mt 26.59-61; Lc 23.2-4, 13-16). Contudo, não foram essas coisas que levaram Jesus à morte. Ele morreu porque se entregou a si mesmo (cf. 1Pe 2.23). Alguém já disse que não foi o ódio dos judeus que matou Jesus, nem o poder dos romanos. Foi Deus, o Pai, que entregou o Filho, e este voluntariamente se entregou como oferta pelos nossos pecados. 

Na primeira frase do v.8, é difícil saber o sentido da preposição min “de”, prefixada no substantivo ‘oser“aprisionamento”. Neste texto, ela pode apresentar três sentidos: o sentido separativo (o Servo foi arrebatado/ “separado da terra”[grifo nosso]62 /libertado da opressão e do juízo – ou seja, foi liberto da morte e levado ao céu pela ressurreição, após sua morte), o sentido causativo (Servo foi libertado por causa dessas coisas) ou sentido temporal (o Servo foi libertado depois dessas coisas). Possivelmente o texto indica a prisão e o julgamento seguidos da prisão. A tradução da Bíblia de Jerusalém apoia essa interpretação: “Após detenção e julgamento, foi preso”. O termo ‘oser “aprisionamento” também apresenta o sentido de sofrimento ou angústia,63 sugerindo um aprisionamento acompanhado de torturas; o significado de ‘oser é “restrição”, “coerção” (Strong) ou “encerrar”, “aprisionar”.64 Esta palavra hebraica só ocorre em outras duas passagens do AT: Pv 30.16 (referindo à esterilidade); Salmos 107.39 (possivelmente referindo ao “aprisionamento”, como em Isaías 53.8). Na sequência do texto isaiano, lê-se o substantivomixpat “julgamento”. No fim da frase, o verbo traduzido pela BJ como “foi preso” é o hebraico luqah qal perfeito, de laqah “arrebatar”, “tomar e levar embora”, traduzido mais literalmente como “foi arrebatado” (como na ARA). O sentido dessa primeira frase do v.8 é que após a detenção violenta (‘oser) e após o processo de julgamento (mixpat), o Servo foi condenado (luqah). 

A sentença seguinte é uma indagação: “e de sua linhagem, quem dela cogitou?”. A palavra hebraica dor “significa geração que está viva num determinado período de tempo” 65 Dessa forma, o texto de Isaías refere-se aos contemporâneos de Jesus que não entenderam a razão de sua morte.66  O significado teológico da morte do Servo só é possível mediante a iluminação do Senhor.67  A sabedoria deste mundo é incapaz de reconhecer a cruz (1Co 2.8). 

A frase seguinte afirma que o Servo “foi cortado da terra dos viventes”. A raiz verbal gazar “cortar”, empregada em outros textos para o corte de árvores (2Rs 6.4), descreve uma morte violenta. Isso é evidenciado na última frase do v.8: “foi ele ferido”, literalmente “um golpe para ele” (nega’ lamo). A morte do Servo é evidenciada na tradução da LXX: “ele foi levado à morte” (sugerindo a retroversão para o hebraicolammawet “para a morte”, em lugar lamo “para ele” ).68 O hebraico nega‘ “golpe”, “ferida”, é um ato de Deus (Êx 11.1) contra o Servo. Muitos comentaristas salientam que a violência descrita nesse texto é semelhante ao Salmo 22. Portanto, o “golpe” “representava mais que mera doença, ou mera violência, ou mera perseguição, mas seria a combinação de tudo que é mais terrível em todas elas: o total abandono da parte de Deus (Sl 22.1 [TM: 22.2]) que o NT chama de ‘segunda morte’ (Ap 2.11)”.69

Pela frase “por causa da transgressão do meu povo”, o texto novamente reitera, como em 53.4-6, que a morte do Servo é substitutiva. Foi a “transgressão/rebelião” (pexa‘) do seu “povo” que conduziu o Messias à morte. 

Na primeira frase do v.9, o verbo “designaram” é tradução de yiten “ele designou”, qal com waw consecutivo imperfeito terceira pessoa masculina singular, de natan “dar”, “pôr”, “estabelecer”. Provavelmente trata-se do singular coletivo daqueles que crucificaram o Servo. A segunda frase, “mas com o rico esteve na sua morte”, apresenta problemas de tradução. Seguimos aqui o TM: ‘axir,“rico” (adjetivo) e bemotayw  “em sua morte”.  Os inimigos do Servo planejaram uma morte desonrosa para Ele. Crucificaram-no entre dois salteadores (Lc 23.32,33). No entanto, a profecia de Isaías haveria de se cumprir. Por isso, Deus levantou um homem rico de Arimateia, chamado José, que sepultou o Servo num túmulo novo, entre os ricos. Assim o Servo foi honrado, mesmo em sua humilhante morte. 

As duas últimas frases do v.9 descrevem a inocência do Servo. Ele foi morto, “ainda que não” (‘al lo’ )70tenha praticado (verbo ‘asah “fazer”) nenhuma “violência” (hamas). A palavra hamas “violência”, “injustiça” (ARA), essencialmente apresenta a ideia de violência pecaminosa, denotando maldade extrema.71Também, não havia “engano” em sua boca. O substantivo mirmah, “engano”, “traição”, comumente é empregado no AT para se referir às palavras traiçoeiras e enganosas (Gn 27.35; 34.13; Sl 10.7; 17.1; 24.4; etc.).72  Quer dizer, somente os malfeitores, enganadores e traidores é que mereciam a morte violenta descrita nesses versos. No entanto, o Servo inocente esteve entre os “ímpios”. Foi tratado como um malfeitor. É assim que Cristo foi considerado por seus algozes.  

Portanto, a estrofe composta por 53.7-9 apresenta a entrega voluntária do Servo (v.7), sua prisão, julgamento, condenação e morte (v.8, 9). 

53.10-12: O triunfo do Servo 
Os v.10-12 compõem a última estrofe do quarto cântico do Servo, e descrevem a razão da morte do Servo, afirmando que o seu sofrimento e sua morte violenta não são uma fatalidade, um acidente na história. Essa última estrofe focaliza a exaltação do Servo, e relaciona-se tematicamente com 52.13-15. “Esses versos demonstram que a morte do Servo não foi um erro trágico; sua morte deverá justificar a muitos e trará glória para ele.”73 

10E Javé desejou esmagá-lo,
fazendo-o adoecer;74
se der75 a sua alma como oferta pela culpa,
verá a sua posteridade
e prolongará os seus dias;
e a vontade de Javé prosperará76  nas suas mãos.

11Depois do penoso trabalho de sua alma, verá a luz,77
e ficará satisfeito;78
por seu conhecimento, o Justo,79 o meu Servo, justificará a muitos,
e as iniquidades deles levará sobre si.

12Por isso, eu lhe darei uma porção entre muitos,
e com os poderosos repartirá o despojo,
porquanto80 derramou para a morte a sua alma;
foi contado com os transgressores.
Contudo, levou sobre si o pecado de muitos
e pelos transgressores81  intercedeu
Nas duas primeiras frases do v10, “Javé” é o sujeito. A forma verbal empregada na primeira frase é hapesqal perfeito “ter prazer”, “desejar”, seguido imediatamente por daka’ piel infinitivo “esmagar”. O primeiro verbo, hapes, significa basicamente “sentir grande satisfação em alguma coisa”.82 Este vocábulo descreve o desígnio e a vontade de Javé.83  Deus desejou a morte do Servo. Novamente o profeta reitera que a desgraça que acometeu o Servo não foi resultado de uma trama de homens maldosos, mas sim, foi resultado da vontade de Javé (53.4). Revela-se assim a verdade neotestamentária a respeito da morte de cruz do Filho do Homem, que ocorreu “segundo o que está determinado” (Lc 22.22; cf. At 4.28; 22.3).

A razão do “prazer/vontade” de Javé na morte horrenda do Servo é explicada ao longo do v.10. “se ele der a sua alma como oferta pela culpa”. É difícil compreender o sentido da frase hebraica. Provavelmente o sujeito do verbo é o próprio Servo, como se lê na conjugação dos verbos seguintes, na terceira pessoa masculina: yir’eh “ele verá” e ya’arik “ele prolongará”. De qualquer modo, é possível notar que o Servo não foi coagido à morte. Ele deu sua alma como “oferta pela culpa”. Ele entregou-se voluntariamente (53.7). “Embora tantos pensem num Pai irado e um Jesus amoroso que veio aplacar sua cólera, a Bíblia ensina que Deus é amor. O Novo Testamento não diz que Jesus nos reconciliou com Pai, mas que o Pai nos reconciliou consigo, em Cristo (2Co 5.21).”84 

A “alma”, nephex, é a vida. A vida do Servo foi uma “oferta pela culpa”. O termo hebraico ’axam (“culpa”, “pecado”; Gn 26.10; Jr 51.5) era um oferta que visava o perdão do “pecado” (hata’ah, Lv 5.6, 7, 10, 11-13). Além disto, no livro de Levítico, a “oferta pela culpa” também é apresentada numa linguagem legal e ritual, e constituia-se um tipo específico de sacrifício que apresentava o conceito de restituição (Lv 5.14-19); “... a ideia de satisfação, em relação aos direitos ou leis que haviam sido violados, era mais proeminente”.85Sobre Isaías 53.10, Gary V. Smith afirma: “Esse verso indica que quando o Servo entregou a sua vida, ele se apresentou como uma compensação ou restituição (como a compensão ou a oferta pela culpa de Lv 5.14 – 6.7) para Deus por causa dos danos cometidos pelo povo contra Deus.”86  Valhamos ainda das palavras de Crabtree: “O Servo inocente dá a sua vida em lugar da vida do povo culpado a fim de satisfazer à justiça divina. Ele era mais que um mártir. O seu sacrifício representa o amor, bem como a verdade da lei divina.”87 

O grande problema do ser humano é a sua alienação de Deus. Mas a morte do Servo é um sacrifício que restaura a comunhão entre Deus e os homens. Não existe perdão sem derramamento de sangue (Hb 9.22; veja Lv 17.11). Cristo é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29). “Um cordeiro não pode morrer no lugar de um humano, mas um homem perfeito poderia; e se o humano é também Deus, ele poderia morrer por todo pecado humano (Hb 9.11-14).” 88

A palavra “posteridade” é a tradução de zera‘ “semente”, “descendência”. No texto isaiano, refere-se àqueles que foram perdoados pelo sacrifício expiatório do Servo. Portanto, zera‘ são os descendentes espirituais do Servo, “a congregação nascida dele, o verdadeiro Israel (cf. Hb 2.13)...”.89

A expressão ya’arik  yamim “prolongará os seus dias” é usada no AT para se referir à promessa de durabilidade do reino dos monarcas de Israel, caso fossem obedientes à Palavra de Javé (Dt 17.2090; 1Rs 3.1491 92 ) . No Salmo 21.4 [TM: 21.5], uma expressão semelhante93  refere-se à promessa da eternidade do trono de Davi (cf. 2Sm 7.13-16; Sl 89.4 [TM: 89.5]; 132.12) que cumpriu-se cabalmente em Cristo.94Portanto, é possível afirmar que, no texto de Isaías, o Servo é apresentado como uma pessoa ressurreta,95que, mesmo tendo sofrido uma morte violenta, reinará eternamente. E não só isso. Considerando que a obra do Servo contempla a zera‘ “semente/descendência”, e, sendo esta “semente” aqueles que nasceram da morte expiatória do Servo e por Ele foram justificados (v.11), pode-se deduzir que o texto também se refere à ressurreição do povo redimido.96  

No final v.10, lê-se que “a vontade de Javé prosperará nas suas mãos”. Novamente o profeta apresenta a raiz hps (hepes “vontade”, “deleite”, “prazer”), que no início do v.10 aparece na forma verbal hapets qal perfeito “ter prazer”, “desejar”. Mas, se no início do verso a vontade de Javé era “esmagar” o Servo, agora, no final, a sua vontade é fazê-lo triunfar. A forma verbal salah qal imperfeito “prosperar” significa “ser forte/eficiente/poderoso”; “ser útil”; “ter sucesso”.97  Parece que o sentido correto da frase é transmitido pela tradução da BJ: “e por meio dele o desígnio de Deus triunfará”. No final, o desejo maior de Javé não é a derrota do Seu Servo pela morte ignominiosa, mas sim, a Sua vitória pela ressurreição. Pela cruz de Cristo e por sua ressurreição, a vontade de Deus triunfou. 

O triunfo do Servo é descrito também no início do v.11: “Depois do penoso trabalho de sua alma, verá a luz, e ficará satisfeito”. A palavra ’or “luz” não consta no TM, no entanto, aparece em todas as cópias de Qumran, e também é acrescentada na LXX. Os verbos ra’ah qal imperfeito “ver” e sabe‘a qal imperfeito “ficar satisfeito” estão inter-relacionados.  “Os dois verbos constituem um só conceito, e significam que a contemplação da salvação que Ele adquirira para outrem e para Si próprio – fato que deve ser detalhado ulteriormente – O satisfaz e refrigera.”98 

A frase seguinte descreve o efeito da morte do Servo sobre o seu povo: “por seu conhecimento, o Justo, o meu Servo, justificará a muitos,”. Para Ridderbos, o “conhecimento” do Servo, como em Isaías 50.4, “é um conhecimento espiritual concernente a Deus e ao Seu plano de salvação”.99 No entanto, a palavra hebraicada‘at “conhecimento” comumente refere-se ao conhecimento proveniente de um relacionamento. Assim, o Servo, através de sua experiência de sofrimento e morte vigária, poderá “justicar a muitos”. O verbo sadeqhifil imperfeito “justificar”, “declarar justo” (cf. Dt 25.1 e 1Rs 8.32) apresenta o sentido forense, porque o Servo é julgado e condenado em lugar de outros: “e as iniquidades deles levará sobre si”. Mas essa forma verbal também traz implicações éticas, já que a condenação do Servo visa conduzir aqueles que são declarados justos para uma relação com Deus.100  E só o Servo é capaz de fazer isso. Pois, ele é sadiq“Justo”, e o padrão para se avaliar sua justiça é a sua íntegra relação com Deus, já que o próprio Deus chama-o de “Justo” e de “meu Servo” (como se nota, diferente do v.10, nesse v.11 é o próprio Deus que fala). “Só um homem justo poderia conferir justificação a outros. O Servo é justo e justifica a muitos. Jesus é justo (At 3.14) e é ele quem nos justiça (Rm 5.1-2).”101  “De alguma forma, este Servo tem realmente sofrido a condenação proveniente de todos os pecados já cometidos, e em virtude desse fato ele está apto a declarar que todos quantos aceitarem sua oferta são justos, livres, diante de Deus.” 102

O v.12 descreve a vitória do Servo após a morte: “darei uma porção” é a tradução da forma verbal halaq piel imperfeito “repartir”, “dividir”. A segunda frase novamente emprega essa forma verbal, mas agora o sujeito é o Servo: “repartirá o desposo”. “O quadro é de um cortejo vitorioso com o Servo, de todos os povos, marchando em seu papel de vencedor, trazendo para casa os despojos da conquista.”103  “O homem de Dores agora é um Rei conquistador, que reivindica um povo numeroso como o Seu, por direito de conquista através de uma luta tremenda.”104  Entretanto, o “desposo” do Servo não são os bens saqueados de uma cidade, mas são os “homens reabilitados, libertados da pena merecida”.105

É notável que a causa de seu vitória não é o seu poder, mas a sua morte: “porquanto derramou para a morte a sua alma”. O verbo ‘arah, no grau causativo em que se encontra (hifil), apresenta o sentido de “derramar”, “esvaziar”. À semelhança do Salmo 141.8, essa forma verbal significa “esvaziar” a “vida” (nepex) com a chegada da morte. Declara-se assim que a razão do triunfo do Servo (descrito nas duas primeiras frases do v.12) é a sua morte. E não somente isso: “foi contado com os transgressores”. Ele não somente morreu pelos transgressores, como lemos em 53.5 (pesha’ “transgressão”); também foi considerado como um dos pox‘im “transgressores” (veja Lc 22.37). 

Mas, na verdade, o Servo não era um dos pox‘im “transgressores”, pois, como assevera o final do v.12, ele morreu por eles, e por eles intercedeu. “Os transgressores, pelos quais Ele intercede são os que ocasionaram a Sua execução, e por cujas iniquidades Ele foi ‘transpassado’ (v.5). Ele foi assim considerado; eles eram de fato os transgressores. Aqui todos são levados a pensar no clamor! ‘Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem’ (Lc 23.34) – um cumprimento literal.”106 

À luz de Is 59.16,107 onde o termo “intercessor” é paralelo a “ajudador” (na tradução da ARA )108, é possível afirmar que o verbo paga‘ “interceder” aqui em 53.12 não descreve só a intercessão, mas engloba também a intervenção.109  O Servo intervém na vida dos “transgressores”, e os restaura à comunhão com Deus. Lembremos que, de acordo com o NT, os primeiros a gozarem dos resultados da morte vigária do Servo foram o ladrão arrependido e o soldado romano que, depois de crucificar a Cristo, reconheceu que verdadeiramente Ele era o Filho de Deus. De fato, o Servo conduziu ao paraíso celestial aqueles transgressores merecedores da punição eterna.  

Conclusão
O presente artigo constatou que o Servo de Javé apresentado em Isaías 52.13-53.12 dificilmente pode ser identificado com Israel ou com qualquer outro personagem do AT. 

Notadamente há uma grande diferença entre o Servo e o povo de Israel: 
1. O Servo não tem pecado; é perfeito. Só um Cordeiro perfeito poderia se oferecer como “oferta pela culpa” (53.10). Em contrapartida, Israel é pecador. Em Isaías 42.19, Javé acusa o seu povo de cegueira espiritual. Obviamente este povo rebelde não estava em condições para resgatar ninguém. Na verdade, ele mesmo precisa ser regado pelo sacrifício do Servo. 
2. O Servo sofreu imerecidamente o juízo de Deus. Ele foi oprimido por Deus porque outros pecaram contra Deus (53.4-6, 8, 11), diferentemente de Israel que sofreu o exílio merecidamente, pois pecou contra Javé (Is 1.25; 3.8; cf. Lm 1.8, 18; etc.). 
3. O Servo foi para o matadouro como uma ovelha, sem abrir a boca (53.7). Em contrapartida, Israel, quando foi julgado por Deus, reclamou contra Deus (Is 40.27).
Existem também nítidas diferenças entre o Servo e outros personagens do AT:
1) O Servo é identificado com Javé (52.13). Ele é homem, mas é Deus. Nenhum outro personagem do AT, seja dentre os profetas ou dentre os reis tementes a Javé, ousaria aplicar tais honrarias para si mesmo. 
2) O Servo de Javé realizou um sacrifício pelo pecado do povo; a oferta foi o seu próprio corpo (53.10). Nenhum outro personagem do AT realizou essa obra.
3) Conforme observamos, o texto de Isaías descreve a ressurreição do Servo, que resultaria na justificação dos pecadores (53.10-12); obviamente isso não se aplica a nenhum herói da fé do AT. O único que “ressuscitou para a nossa justificação” é Cristo (Rm 4.25).
As palavras de Isaías 52.13-53.12 são impressionantes. Nitidamente descrevem a humilhação, a condenação, a morte e a ressurreição de um homem. É praticamente impossível não ver essas palavras se cumprindo literalmente no Cristo apresentado no NT. Até parece que as palavras de Isaías foram escritas aos pés do Gólgota.110 

Portanto, a pergunta do eunuco, “a quem se refere o profeta. Fala de si mesmo ou de algum outro?” (At 8.34), foi suficientemente respondida por Felipe: refere-se a Cristo (At 8.35).

______________________________________________________
1Bernhard Duhm, Das Buch Jesaja, Göttingen, Vandenhoeck & Ruprecht, 1892, 458 p.
2Richard E. Averbeck, “Christian Interpretations of Isaiah 53”. In: Darrell L. Bock; Mitch Glaser, The Gospel According to Isaiah 53: Encountering the Suffering Servant in Jewish and Christian Theology, Grand Rapids, Kregel Publications, 2012, p. 41-45; Werner H. Schmidt, Introdução ao Antigo Testamento, São Leopoldo, Sinodal, 1994. p. 252-254; E. Sellin; G. Fohrer, Introdução ao Antigo Testamento, São Paulo, Editora Academia Cristã/Paulus, 2012, p. 534-538. 
3Nota de rodapé da New Internacional Version.  
4J. Steinmann, O livro da consolação de Israel e os profetas da volta do exílio, São Paulo, Edições Paulinas, p. 193-194. 
5E. Sellin; G. Fohrer, Introdução ao Antigo Testamento, p. 536; Hans-Jürgen Hermisson, “The Fourth Servant Song in the Contexto of Second Isaiah”. In: Bernd Janowski; Peter Stuhlmacher (ed.), The Suffering Servant: Isaiah 53 in Jewish and Christian Sources, Grand Rapids, Eerdmans Publishing, 2004, p. 45-47.  
6
Richard E. Averbeck, “Christian Interpretations of Isaiah 53”, p. 33-60. 
7
Isaltino Gomes Coelho Filho, Isaías: o Evangelho do Antigo Testamento, Rio de Janeiro, JUERP, 2001, p. 151. 
8Gerard van Groningen, Revelação messiânica no Antigo Testamento: a origem divina do conceito messiânico e o seu desdobramento progressivo, 2ª edição, São Paulo, Editora Cultura Cristã, 2003, p. 556-557.  
9Gerard van Groningen, Revelação messiânica no Antigo Testamento, p. 557-589. 
10Israel Knohl, O Messias antes de Jesus, Rio de Janeiro, Ed. Imago, 2001, p. 28, 31. 
11sakal hifil imperfeito “olhar para discernir”, “dar atenção a”, “ponderar”, “considerar”, “ser prudente”; “prosperar”, “ter sucesso”. 
12Peshita e Targum: ‘alayw “diante dele”. TM (Texto Massorético) e alguns manuscritos (inclusive 1QIs1ª e 1QIsb): ‘aleyk “diante de ti”.  
13TM: mixhat “desconfiguramento da face”. 1QIsa: mxhty. Tradição babilônica: muxhat. Peshitta: mhbl.Targum: maxhat “arruinado”.  Veja a Vulgata.
14nazah II hifil imperfeito “causar um espanto”. John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, vol. 02, São Paulo, Editora Cultura Cristã, 2011, p. 456. TM: yazzeh “aspergirá”, hifil imperfeito de nazah I “borrifar”, “salpicar”. LXX: “causará admiração”. BHS: provavelmente qal imperfeito yizzeh ou yizzu; outros propõem yirggezu qal imperfeito de ragaz “tremer”,  ou yibzuhu qal imperfeito de bazah “desprezar” . Siríaca: “purificará”. 
15Gary V. Smith, Isaiah 40-66, Nashville, Broadman & Holman Publishers, 2009, p. 435 (The New American Commentary).
16Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 436. 
17ramam I é uma variação de rum. 
18J. Ridderbos, Isaías: introdução e comentário, São Paulo, Vida Nova, p. 424 (Série cultura bíblica).
19R. Laird Harris; Gleason L. Archer Jr.; Bruce K. Waltke (organizadores), Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento, São Paulo, Vida Nova, 1998, p. 1583. 
20Veja John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 456.
21J. Ridderbos, Isaías, p. 425. 
22A Bíblia de Jerusalém – Nova Edição, revista e ampliada, 5a edição, São Paulo, Sociedade Bíblica Internacional/Edições Paulus, 2002, p.1449. 
23John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 463.
24xemu‘atenu particípio qal “aquilo que foi ouvido de/por nós”. John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías,  p. 456. 
25yoneq “renovo”, “criança de peito”, “árvore nova”.  O termo “se refere a ‘um recém-nascido’, quer humano ou planta”. John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 457. 
26TM: lepanayw “diante dele”. BHS: provavelmente lipnenu “diante de nós”. 
27TM: widu‘a qal particípio passivo “e foi conhecido”. BHS: weyode‘a qal particípio ativo “e que conhece”, apresentado nos rolos de Qumran. Veja Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 436.  
28
holi “doença, sofrimento”. Nelson Kirst et. al., Dicionário hebraico-português e aramaico-português, São Leopoldo/Petrópolis, Sinodal/Vozes, 16a edição, 2003, p. 69. 
29nibzeh nifal particípio de bazah “ser desprezado” . 1QIsa: wnbwzhw “o desprezamos”, escrito com o waw no final, provavelmente por influência do waw no verbo seguinte. BHS: wannibzehu “e foram desprezados”. 
30John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 456. 
31Hans-Jürgen Hermisson, “The Fourth Servant Song in the Contexto of Second Isaiah”, p. 30. 
32John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 465. 
33Claus Westermann, Isaiah 40-66: A Commentary, Londres, SCM Press, 1969, p. 261 (Old Testament Library).  
34Nelson Kirst et. al., Dicionário hebraico-português e aramaico-português, p. 69.
35R. Laird Harris; Gleason L. Archer Jr.; Bruce K. Waltke (organizadores), Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento, p. 466. Pv 23.35: “Espancaram-me, e não me doeu (halah)...” (ARA) . 2Rs 1.2: E caiu Acazias pelas grades de um quarto alto, em Samaria, e adoeceu (halah)...” (ARA).  2Rs 8.29: “...e desceu Acazias, filho de Jeorão, rei de Judá, para ver a Jorão, filho de Acabe, em Jezreel, porquanto estava doente (halah) (ARA).  Nesses textos, o sentido de halah é de debilidade física provada por ferimentos. 
36John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 467. 
37holayenu “nossos sofrimentos”. É mesmo termo do v.3, holi “doença, sofrimento”. Nelson Kirst et. al.,Dicionário hebraico-português e aramaico-português, p. 69.
38BHS: A Siríaca, a Vulgata e aproximadamente 20 manuscritos medievais apresentam o pronome na terceira pessoa hu’ “ele”. 
39meholal poal partícipio “transpassado”, de halal “profanar”. BHS: provavelmente mehullal “profanado”, corroborado por Aquila e pelo Targum. 
40musar xelomenu ‘alayw “o castigo que nos traz a paz estava sobre ele”, literalmente “o castigo da nossa paz”; um genitivo de propósito: “castigo designado para nossa paz”. John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 468. 
41
rapa’ nifal perfeito singular seguindo pela preposição le (“para) com o pronome da primeira pessoa plural nu (nós). 
42J. Ridderbos, Isaías,p. 428.
43Shalom M. Paul, Isaiah 40-66Translation and Commentary, Grand Rapids, Eerdmans Publishing, 2012, p. 405 (Eerdmans Critical Commentary).
44Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 451. 
45Isaltino Gomes Coelho Filho, Isaías, p. 168-169. 
46Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 451. 
47John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 473.
48Isaltino Gomes Coelho Filho, Isaías, p. 170. 
49Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 451.
50nagas nifal perfeito “ser duramente pressionado”.
51wehu’ na‘aneh “mas ele livremente se humilhou”: pronome independente terceira pessoa masculina hu’ “ele”, com ‘anah nifal particípio “ser humilhado”. 
52BHS: provavelmente esta frase precisa ser deletada. 
53laqah qal perfeito “arrebatar”, “tomar e levar embora”. 
54TM: ‘ammi “meu povo”. 1QIsa: ‘amo “seu povo”. Westermann sugere a primeira pessoa comum plural “nosso povo”. Claus Westermann, Isaiah 40-66, p. 254.
55TM: mippexa‘ ‘ammi “por causa da transgressão do meu povo”.  BHS: provavelmente mippix‘am “por causa da transgressão deles”.
56TM: nega‘ lamo “um golpe para ele”. 1QIsa: nugga‘ ou nigga‘ (pual?) “ele é ferido”. LXX: “ele foi levado à morte”, propondo a retroversão para o hebraico lammawet “para a morte” em lugar de lamo “para ele”.   
57TM: wayyiten “e ele designou”, qal com waw consecutivo imperfeito terceira pessoa masculina singular de natan “dar”, “pôr”, “estabelecer”. 1QIsa: wayitnu “eles designaram”. BHS: wayuttan. 
58TM: ‘axir adjetivo masculino singular “rico”. BHS: provavelmente se‘irim  “demônios”. No entanto, tanto a LXX como o Targum traduzem “rico”, e, portanto, o TM não precisa ser alterado. Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 456.
59TM: bemotayw “em sua morte”.  1QIsa: bwmtw “o seu túmulo” ou “seu lugar alto”. Para uma defesa da tradução “seu lugar alto”, veja Betty Bacon, Estudos na Bíblia Hebraica, São Paulo, Vida Nova, 1991, p. 258. 
60Isaltino Gomes Coelho Filho. Isaías, p. 172.
61Waw conjuntivo, aqui no sentido adversativo. 
62J. Ridderbos, Isaías, p. 433.  
63Joseph Addison Alexander, Commentary on Isaiah, Grand Rapids, Kregel Publications, 1982, p. 300.
64John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 478.
65J. Ridderbos. Isaías, p.434, nota 30. 
66Isaltino Gomes Coelho Filho. Isaías, p. 172.
67Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 454. 
68Veja BHS. 
69John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 477.
70A preposição ‘al “sobre”, seguida pelo advérbio de negação lo’ “não”, essencialmente significa “porque não”. Nelson Kirst et. al., Dicionário hebraico-português e aramaico-português, p. 179. Abre-se assim a possibilidade de as duas últimas frases serem traduzidas como “porque não praticou violência, nem dolo algum se achou em sua boca”, indicando que a honraria que o Servo receberia por ocasião de sua morte (“com o rico esteve na sua morte”) ocorreria em virtude de sua inocência. 
71R. Laird Harris; Gleason L. Archer Jr.; Bruce K. Waltke (organizadores), Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento, p. 485. 
72R. Laird Harris; Gleason L. Archer Jr.; Bruce K. Waltke (organizadores), Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento, p. 1431. 
Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p.457. 
73TM: halah hifil perfeito “tornar dolorido”, “fazer adoecer”. 1QIsa: wyhllhu, provavelmente “para que ele o transpasse”. A BHS propõe hhlym ’et-sam  (?) em lugar do TM heheli  ’im-tasim  “fazendo-o adoeçer, se ele colocar”. 
75Vulgata: “se ele oferece”. TM: tasim qal imperfeito terceira pessoa feminino singular  “ela (“alma”?) colocará/depositará”. A tradução da Vulgata coaduna-se melhor com a conjugação dos verbos seguintes, na terceira pessoa masculina: yir’eh “ele verá” e ya’arik “ele prolongará”. 
76tsaleah II qal imperfeito “ser forte/eficiente/poderoso”; “ser útil”; “ter sucesso”. Nelson Kirst et. al.,Dicionário hebraico-português e aramaico-português, p. 205. 
77BHS: todas as cópias de Qumram acrescentam a palavra ’or “luz”; também acrescentada na LXX. 
78TM: yisbba‘ qal imperfeito “ficar satisfeito”. A BHS propõe a revogalização: o patah debaixo da consoante bet, em lugar do gamets, formando assim um cólon entre o verbo e substantivo beda‘etto “em seu conhecimento”.  
79BHS: transposto para depois de beda‘etto “em seu conhecimento”. 
80Para uma explicação da expressão causal tahat ’axer, veja John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 485, nota 380. 
81TM: welappox‘im “e pelos transgressores”. BHS: as cópias de Qumran (1QIsa e 1QIsb) apresentam ulpix‘am “por suas rebeliões”, corroporadas pela LXX. 
82R. Laird Harris; Gleason L. Archer Jr.; Bruce K. Waltke (organizadores), Dicionário internacional de teologia do Antigo Testamento, p. 509. 
83Is 44.28: “cumprirá tudo o que me apraz” (ARA); “ele cumprirá toda a minha vontade” (BJ). Is 46.10: “farei toda a minha vontade” (ARA). Is 48.14: “O Senhor amou a Ciro e executará a sua vontade contra a Babilônia”. Grifo nosso.
84Isaltino Gomes Coelho Filho, Isaías, p. 171. 
85J. Ridderbos, Isaías, p. 437. Sobre o ’axam, não é necessário seguir a proposta de Hans-Jürgen Hermisson, que propõe a diferença entre um sentido sagrado e um sentido profano (supostamente em Nm 5.7-8; 1Sm 6.3-4, 8). Hans-Jürgen Hermisson, “The Fourth Servant Song in the Contexto of Second Isaiah”, p. 37. 
86Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 458. 
87A. R. Crabtree, A profecia de Isaías, vol. 2, Rio de Janeiro, Casa Publicadora Batista, 1967, p. 237.
88John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 469.
89J. Ridderbos. Isaías, p.437. 
90yamim ‘al-mamlaktto “e prolongará os dias sobre[do] seu reinado”.
91weha’araktti  ’et-yameyka “e prolongarei os teus dias”. 
92Gerard van Groningen, Revelação messiânica no Antigo Testamento, p. 609. 
93’orek yamim ‘olam wa‘ed  “continuidade de dias para sempre e sempre”. 
94Ernst Hengstenberg, Christology of the Old Testament: And a Commentary on the Messianic Predictions, vol. 2, Project Gutenberg EBook of Christology of the Old Testament,  December, 2009, p. 303.
95J. Ridderbos, Isaías, p. 437. 
96Ernst Hengstenberg, Christology of the Old Testament, vol. 2, p. 303; Gerard van Groningen, Revelação messiânica no Antigo Testamento, p. 609.
97Nelson Kirst et. al., Dicionário hebraico-português e aramaico-português, p. 205.
98J. Ridderbos, Isaías, p. 438.
99J. Ridderbos, Isaías, p. 438.
100Gary V. Smith, Isaiah 40-66, p. 462.
101Isaltino Gomes Coelho Filho, Isaías, p. 179.
102John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 493. 
103John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 493.
104J. Ridderbos, Isaías, p. 440.
105Luis Alonso Schökel; José Luis Sicre Dias, Profetas I: Isaias - Jeremias, 2ª edição, São Paulo, Paulus, p. 344. 
106J. Ridderbos, Isaías, p. 440-441.
107 Onde o termo “intercessor” é paralelo a “ajudador”. 
108A Bíblia de Jerusalém: “Viu que não havia ninguém, espantou-se de que ninguém interviesse”. 
109John N. Oswalt, Comentário do Antigo Testamento: Isaías, p. 495.
110J. Ridderbos, Isaías, p. 441.
Fonte: http://www.teologiabrasileira.com.br/teologiadet.asp?codigo=431

3-Tradução de Is 53 na Bíblia Hebraica Editora Sefer, 2006:

Observe que esta tradução por meio de parênteses e de inserção de termos que não tem no texto hebraico em questão, diz que Israel sofreu por causa dos pecados das nações e não reclamou!

Israel foi levado cativo por seus próprios pecados:
Is 2:6 Pois, tu, SENHOR, desamparaste o teu povo, a casa de Jacó, porque os seus se encheram da corrupção do Oriente e são agoureiros como os filisteus e se associam com os filhos dos estranhos.
7  A sua terra está cheia de prata e de ouro, e não têm conta os seus tesouros; também está cheia de cavalos, e os seus carros não têm fim.
8  Também está cheia a sua terra de ídolos; adoram a obra das suas mãos, aquilo que os seus próprios dedos fizeram.

3:8  Porque Jerusalém está arruinada, e Judá, caída; porquanto a sua língua e as suas obras são contra o SENHOR, para desafiarem a sua gloriosa presença.
9 ¶ O aspecto do seu rosto testifica contra eles; e, como Sodoma, publicam o seu pecado e não o encobrem. Ai da sua alma! Porque fazem mal a si mesmos.

Is 5:1 ¶ Agora, cantarei ao meu amado o cântico do meu amado a respeito da sua vinha. O meu amado teve uma vinha num outeiro fertilíssimo.
2  Sachou-a, limpou-a das pedras e a plantou de vides escolhidas; edificou no meio dela uma torre e também abriu um lagar. Ele esperava que desse uvas boas, mas deu uvas bravas.
3  Agora, pois, ó moradores de Jerusalém e homens de Judá, julgai, vos peço, entre mim e a minha vinha.
4  Que mais se podia fazer ainda à minha vinha, que eu lhe não tenha feito? E como, esperando eu que desse uvas boas, veio a produzir uvas bravas?
5  Agora, pois, vos farei saber o que pretendo fazer à minha vinha: tirarei a sua sebe, para que a vinha sirva de pasto; derribarei o seu muro, para que seja pisada;
6  torná-la-ei em deserto. Não será podada, nem sachada, mas crescerão nela espinheiros e abrolhos; às nuvens darei ordem que não derramem chuva sobre ela.
7  Porque a vinha do SENHOR dos Exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta dileta do SENHOR; este desejou que exercessem juízo, e eis aí quebrantamento da lei; justiça, e eis aí clamor.

Is 30:9  Porque povo rebelde é este, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do SENHOR.
10  Eles dizem aos videntes: Não tenhais visões; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, profetizai-nos ilusões;
11  desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; não nos faleis mais do Santo de Israel.
12  Pelo que assim diz o Santo de Israel: Visto que rejeitais esta palavra, confiais na opressão e na perversidade e sobre isso vos estribais,
13  portanto, esta maldade vos será como a brecha de um muro alto, que, formando uma barriga, está prestes a cair, e cuja queda vem de repente, num momento.
14  O SENHOR o quebrará como se quebra o vaso do oleiro, despedaçando-o sem nada lhe poupar; não se achará entre os seus cacos um que sirva para tomar fogo da lareira ou tirar água da poça.

15  Porque assim diz o SENHOR Deus, o Santo de Israel: Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação; na tranqüilidade e na confiança, a vossa força, mas não o quisestes.

Is 57:17 ¶ Por causa da indignidade da sua cobiça, eu me indignei e feri o povo; escondi a face e indignei-me, mas, rebelde, seguiu ele o caminho da sua escolha.
18  Tenho visto os seus caminhos e o sararei; também o guiarei e lhe tornarei a dar consolação, a saber, aos que dele choram.

Is 59:121Porque as nossas transgressões se multiplicam perante ti, e os nossos pecados testificam contra nós; porque as nossas transgressões estão conosco, e conhecemos as nossas iniqüidades,
13  como o prevaricar, o mentir contra o SENHOR, o retirarmo-nos do nosso Deus, o pregar opressão e rebeldia, o conceber e proferir do coração palavras de falsidade.
14  Pelo que o direito se retirou, e a justiça se pôs de longe; porque a verdade anda tropeçando pelas praças, e a retidão não pode entrar.

:Is 64:9  Não te enfureças tanto, ó SENHOR, nem perpetuamente te lembres da nossa iniqüidade; olha, pois, nós te pedimos: todos nós somos o teu povo.
10  As tuas santas cidades tornaram-se em deserto, Sião, em ermo; Jerusalém está assolada.
11  O nosso templo santo e glorioso, em que nossos pais te louvavam, foi queimado; todas as nossas coisas preciosas se tornaram em ruínas.
12  Conter-te-ias tu ainda, ó SENHOR, sobre estas calamidades? Ficarias calado e nos afligirias sobremaneira?

Is 66:3  O que imola um boi é como o que comete homicídio; o que sacrifica um cordeiro, como o que quebra o pescoço a um cão; o que oferece uma oblação, como o que oferece sangue de porco; o que queima incenso, como o que bendiz a um ídolo. Como estes escolheram os seus próprios caminhos, e a sua alma se deleita nas suas abominações,
4  assim eu lhes escolherei o infortúnio e farei vir sobre eles o que eles temem; porque clamei, e ninguém respondeu, falei, e não escutaram; mas fizeram o que era mau perante mim e escolheram aquilo em que eu não tinha prazer.

Observe abaixo na Bíblia Judaica da Editora Sefer, 2006:

  •  como fica artificial, pois o termo Nós, nossos, nossas se refere ao profeta e a Israel, meu povo se refere a Israel
  • Israel não reclamou (calou e não se pronunciou?)
  • Israel não mentiu?
  • note a mudança: nossas iniquidade para iniquidades delas
  • como Israel intercederia por si mesma? sendo que a iniquidade era de "todos nós"?


1 Quem teria acreditado no que nós (as nações) ouvimos, e para quem foi revelada a ação
do Eterno?
2 Porque ele (o povo de Israel) brotou como planta tenra e como raiz em terra seca. Não tinha nem forma nem beleza; era visível que não tinha boa aparência; quem o apreciaria?
3 Foi depreciado e abandonado por todos, como uma pessoa atormentada e constantemente enferma, como alguém de quem escondemos nossa face, sendo desprezado e desconsiderado.
4 Na verdade, eram os nossos sofrimentos (das nações) que (Israel) suportava, e as dores que o oprimiam, mas nós o considerávamos um ser aflito, golpeado e ferido por Deus.
5 Ferido estava, porém, por nossas transgressões, e oprimido por nossas iniquidades; seu
penar era para nosso benefício e, através de suas chagas (seu exílio), fomos curados.
6 Todos nós, como ovelhas (sem um pastor), nos desencaminhamos. Cada qual voltou-se para seu
próprio caminho e (somente) sobre ele (Israel) fez o Eterno recair a iniquidade de todos nós.
7 (Israel) foi oprimido e afligido, mas calou e não se pronunciou. Como cordeiro que é levado
para a matança, e como ovelha que fica muda ante seus tosquiadores, não abriu sua boca.
8 Com opressão e juízo iníquo foi aprisionado; acaso alguém (das nações) argumentou para
com sua geração: 'Ele (Israel) foi exilado da terra dos vivos pela transgressão do meu povo, e
por isso recebeu esse duro golpe'?
9 E seu túmulo foi feito entre os dos malévolos, e sua tumba feita pelos poderosos, embora não tivesse praticado violência nem houvesse mentira em sua boca.
10 Contudo, aprouve ao Eterno oprimi-lo para testar se sua alma se ofereceria como restituição, para que pudesse ver prolongados os dias de sua semente, e sentir prosperar, por seu intermédio, os desígnios do Eterno.
11 Ele percebeu o propósito e aceitou o sofrimento de sua alma. Por esta compreensão, fez reconhecer o Justíssimo perante todas as nações, suportando as iniquidades delas. 
12 Por isto, das nações separarei para ele uma porção e entre os poderosos receberá despojo, porque expôs sua alma à destruição e se deixou enumerar entre os transgressores, pois mesmo suportando os pecados de tantos, intercedeu pelos transgressores.

Conclusão:
A Bíblia Judaica da Editora Sefer usa interpolações (entre colchetes) e insere palavras no texto bíblico para que o sentido original do texto seja modificado, de acordo com a tradição medieval anticristã.

"ESTILOS DE TRADUÇÃO – Nossos Sábios dizem que a Torá tem "70 Faces". Por isso, atradução de um versículo em hebraico para qualquer outro idioma expressa, muitas vezes,apenas um desses aspectos, cabendo aos tradutores a ingrata e subjetiva tarefa de optar por um dos caminhos a ser seguido, deixando para trás outras excelentes opções interpretativas –certamente tão válidas quanto a apresentada nesta obra – que caberiam muito bem em notas de rodapé, o que não foi o caso, nem era a proposta deste trabalho. Mas usou-se a inserçãocriteriosa de certas palavras (normalmente entre parênteses) quando extremamente necessárias à compreensão do texto, ou adotou-se determinada tradução não literal a fim de possibilitar sua leitura à luz dos ensinamentos e orientações técnicas dos Sábios do Talmud e dos consagrados exegetas bíblicos judeus dos últimos dois mil anos."  (Bíblia hebraica.Cosniderações Gerais,.São Paulo:Sefer, 2006)